Google+

10 de agosto de 2012

O FERRARI MENOS AMADO: MONDIAL 8

fotos: topspeed.com e Ferrari




Estava eu domingo passado na maravilhosa garagem de um amigo, admirando seus incríveis carros, quando ele mencionou casualmente que podíamos dar uma volta no Ferrari Mondial 8 dele. Imediatamente me lembrei do que escrevi há algum tempo aqui no blog, quando fiz uma lista dos 10 melhores Ferrari de todos os tempos:

...é fato que nunca foi criado um Ferrari menos do que sensacional, nunca, em tempo algum.”

Era uma oportunidade única de morder a língua. Aquele Mondial 8 de 1982, recém-importado dos EUA pelo meu amigo, é um carro muito raro aqui no Brasil, porque foi fabricado na época da proibição das importações, e portanto só pode aparecer agora que tem mais de 30 anos de idade, importado como carro de coleção e valor histórico. Mas é também simplesmente o menos amado Ferrari de todos os tempos. Um 2+2 baseado no 308 GTB, lançado na fase talvez mais baixa de desempenho da marca, o Mondial é um dos Ferrari mais baratos no mercado de usados hoje, e o menos venerado pela imprensa quando era um carro zero-km. Se nenhum Ferrari é menos que sensacional, este carro provaria o ponto, para um lado ou para o outro...

Mas antes de contar como foi este breve mas esclarecedor passeio, um pouco de história se faz necessária, para colocar as coisas em perspectiva.

Os Ferrari “light”

No início, Ferrari de rua era sempre V-12. Em competições, Enzo fazia de tudo para ser competitivo: quatro em linha, seis em linha, V-6, V-8 e V-12, tudo que fosse necessário para atingir a “injusta vantagem”, como definiu o grande Mark Donohue. Mas nas ruas, e mesmo no imaginário popular, Ferrari era sinônimo de uma dúzia de cilindros, aquela que sempre será a mais exótica das configurações.

Enzo sempre foi um exímio manipulador desta que é a maior febre atual: a imagem. Criou para si e para seus carros uma aura de divino, de insuperável, de melhor, de uma forma incrivelmente efetiva. Seus carros eram caros, mas superlativos em tudo, e o V-12 era um exemplo claro disso. Todo Ferrari era um feroz e enorme V-12 de competição enfiado em um grã-turismo para as ruas. Caros, super-velozes, exóticos, raros. E exclusividade de milionários, marajás e estrelas de Hollywood.

 Dino 206 GTB

Por este motivo, quando decidiu que era necessário fazer uma linha de carros menor e mais barata para adicionar volume de produção à fábrica, Enzo não quis chama-los de Ferrari. Apareceram como uma marca separada, com o nome de seu falecido filho, Dino. O primeiro deles, lançado com o nome de Dino 206 GTB em 1968, era equipado com um V-6 a 65 graus, com duplo comando de válvulas no cabeçote, e todo em alumínio. O motor era instalado em posição central-traseira, outra novidade para a marca de Modena. Projetado em conjunto com a Fiat sob a supervisão de Aurelio Lampredi, e fabricado pelo gigante de Turin, o V-6 equipou também um carro desta marca, chamado, meio obviamente, Fiat Dino.

Fiat Dino Spyder

O motor de dois litros não duraria muito; logo Lampredi reprojetava o motor e lhe dava um bloco de ferro fundido mais robusto, e um aumento de cilindrada para 2,4 litros, para fartos 198 cv. O Dino, um carro belíssimo, e equipado com freios a disco e suspensão independente por duplo "A" sobreposto nas quatro rodas, foi um tremendo sucesso. Capaz de atingir 240 km/h, é hoje um dos clássicos mais amados da marca.

A próxima evolução da marca aconteceu em 1973, com o lançamento do Dino 308 GT4. Este novo Dino crescia ainda mais em motor, agora um V-8 de três litros e nada menos que 258 cv, e crescia também em tamanho, com a adoção de dois pequenos bancos atrás do motorista, caracterizando uma configuração 2+2. O estilo, até hoje controverso, é de Bertone, e não da Pininfarina, casa que desde os anos 50 era a encarroçadora oficial da marca.

Dino 308 GT4

Duas coisas levaram ao aparecimento deste Dino maior: um deles foi a disponibilidade do motor maior, desenvolvido para o berlinetta que substituiria o 246 em 1975, o carro que hoje conhecemos como 308 GTB/GTS. E o outro foi a competição no mercado: o maior competidor dos Dinos sempre fora o Porsche 911, um carro que nasceu e permanece um 2+2 de espaço até que generoso atrás, e que em 1971 ganhara um novo motor de 2,4 litros. Com desempenho semelhante, o 911 ganhou um monte de compradores potenciais de Dino simplesmente oferecendo lugares para os filhos pequenos deles.

Ferrari 308 GTB (1975)

O 308GT4 é o antecessor do Mondial 8 que conheci domingo passado. Seu estilo controverso não ajudou nada suas vendas nos EUA, nem muito menos o espaço pífio nos bancos traseiros, pequenos até para os muito pequenos. Foi daí, deste fracasso de vendas, que a Ferrari resolveu fazer oficial algo que praticamente todo dono de Dino vinha fazendo desde o início da marca: trocar os logotipos por cavalinhos empinados e o nome Ferrari. O sucessor do Dino 246 GTB/GTS foi lançado em 1975 como Ferrari 308 GTB/GTS, e o 308GT4 trocou também o seu nome para Ferrari no mesmo ano, sepultando de vez a submarca Dino.

Ferrari Mondial 8 (1980)

Em 1980 aparecia então o Mondial 8 que é o tema deste post. O objetivo deste substituto do 308 GT4 era resolver os dois problemas básicos dele: o desenho e o espaço interno. Resolvido foi apenas o espaço interno, fruto de um aumento de entreeixos e um inteligente reempacotamento dos passageiros pela Pininfarina. Já o desenho externo, teve praticamente a mesma reação de seu antecessor pela imprensa: muito pouca gente gostou, e se gostou, não falou nada.

Além disso, outro problema, ausente no 308GT4, apareceu. A potência do motor diminuíra para atender as novas normas antipoluição em vigor principalmente nos EUA (o maior mercado da marca), mesmo com a adoção de injeção eletrônica. O carro era equipado com um sem-fim de acessórios modernos como vidros e teto solar elétrico, ar-condicionado etc, o que, em conjunto com o fato de que era um carro maior, aumentou muito o peso do veículo. O desempenho, portanto, sofreu muito. Um Ferrari, mesmo os de entrada, nunca foi um carro barato, mas tradicionalmente compensam isso com um desempenho exemplar. Não foi o caso aqui.

O V-8 dos 308/Mondial 8

Nos EUA, um Mondial 8 de 215 cv acelerava de 0 a 100 km/h na casa dos 8 segundos. Uma quantidade imensa de carros muito mais baratos podia facilmente vencê-lo em um dos “Gran Prix de semáforo”, tão populares naquele país. Sendo assim, não importava muito que em final, ou em uma estrada com curvas, o Ferrari pudesse defender muito bem sua honra. O estrago, e a fama do Mondial 8, estavam selados.



Os Ferrari de entrada continuaram a evoluir, porém, e o Mondial com eles: O V-8 ganhou 4 válvulas por cilindro em 1982 (230 cv) e foi aumentado para 3,2 litros (270 cv) em 1985. Uma versão conversível da Mondial também foi disponibilizada desde 1983.

Para o substituto da 328 GTB/GTS, a Ferrari preparou um carro completamente novo, onde o V-8 de 3,4 litros estaria em posição longitudinal e o câmbio, transversal. Este novo Berlinetta seria lançado em 1989 com o nome de Ferrari 348ts, mas seu motor e transmissão apareciam um pouco antes no Mondial T. Esse último Mondial tinha 300 cv, uma melhora substancial, e era um carro muito mais rápido que o primeiro.

Ferrari Mondial T (1990)

O 348ts virou F355 em 1995. Em 2001 aparece o 360 Modena, e o Ferrari “de entrada” se tornou praticamente tão veloz quanto os de 12 cilindros, coisa que permanece até hoje com o 458 Italia. Mas nunca mais, desde o fim do Mondial T em 1993, houve um Ferrari de motor central-traseiro e lugar para quatro pessoas. Os italianos deve ter perdido a paciência e a partir dali mandado quem quisesse quatro lugares comprar “quella danatta macchina tedesca”, o 911.

Conhecendo o Mondial 8



Que diferença é ver um carro ao vivo, de perto! 

Ali do meu lado, baixo, largo, comprido e vermelho, toda a falta de proporção de que tanto se fala ao ver fotos desaparece. E realmente lindo, e cheio de identidade da marca. O carro não é pequeno, medindo 4.580 mm de comprimento, e com o entreeixos de 2.650 mm, praticamente as mesmas medidas do Fiat Linea, mas é bem mais baixo e largo que ele. O Mondial 8 de 1982 vinha originalmente com um conjunto de pneu/roda de aro métrico, de 390 mm (15,3 polegadas), com pneus Michelin 240/55VR390, mas o do meu amigo está com as rodas aro 16 do mais novo Mondial T (1989-1993). Ficaram absolutamente perfeitas no carro, e sem dúvida mais práticos quando for necessário achar pneu de reposição. 

O estado do carro é invejável para o que é, no frigir dos ovos, um carro usado de 30 anos de idade. Não é perfeito como um carro de exposição, mas perfeito para o uso. O interior está muito bom ainda, sem rasgos em tecido ou qualquer outro indício de idade avançada. Tudo funciona perfeitamente, dos vidros e teto solar elétricos ao ar-condicionado. Os bancos traseiros, real motivo do modelo existir, não são lá uma maravilha em espaço, mas são semelhantes em espaço aos do 911. Objetivo alcançado. O espaço é o mesmo, mas o ambiente é muito mais agradável, claro, aberto, propício ao convívio. A Itália é infinitamente mais gregária que a Alemanha, então tudo faz sentido.



Antes de entrar no carro, o dono o ligou, (pegou de estalo, que delícia é a injeção eletrônica) e ele ficou ali, numa marcha-lenta alta e nervosa, esquentando, enquanto conversávamos. Quando ouvimos a rotação cair e a marcha-lenta se estabilizar baixinha e silenciosa, o dono disse: ela está pronta! Vamos?

Andando de Mondial 8

Richard Parry-Jones, o genial engenheiro da Ford e criador do primeiro Focus, dizia que quase tudo que há para se saber sobre um carro pode ser descoberto nos primeiros 50 metros. Sinceramente não sei se isso vale para qualquer carro, mas certamente valeu aqui. Bastaram alguns segundos ao volante para que um sorriso se estampasse em meu rosto, e que começasse a grunhir de prazer feito cadelinha vira-lata no cio.



Provavelmente os engenheiros da Pininfarina, para conseguir mais espaço no banco traseiro, além do aumento do entreeixos, devem ter movido o motorista um pouco mais para frente, porque você fica numa posição que parece estar em cima do eixo dianteiro. Os seus pés estão lá no meio do carro, de lado, para livrar a caixa de roda esquerda. O pára-brisa está muito próximo da sua cara, e a frente do carro desaparece ao que parecem ser milímetros à frente do pára-brisa. Os instrumentos? Para alguém do meu tamanho (1,92 metro) estão completamente invisíveis, apontados para minha barriga. 

Durante o passeio, não faço a menor idéia de que velocidade andei, que rotação alcancei, qual era a pressão do óleo, quanto de gasolina tínhamos, quantos quilômetros andamos... O volante é virado para cima, e a ergonomia, como todo carro italiano de verdade, é criada para um biótipo de chimpanzé: braços compridos, pernas curtas. Para dirigir, o segredo é chegar mais perto do volante e deixar as pernas abertas, flexionadas. E, lembrem-se, viradas para o meio do carro. Prego!



Mas, come un miracolo, você não se incomoda com tudo isso, pelo contrário! A posição de dirigir é só diferente, porque imediatamente a posição dos pedais, do volante e do câmbio é entendida e fica natural. Mais que natural, fica uma delícia.

Os três pedais, pivotados no assoalho, são sensacionais em peso, sensibilidade e curso. E todos eles comandam sistemas que são também de uma precisão e efetividade incríveis. Embreagem fácil de modular, freio idem. Freios fortes, e obviamente potentíssimos desde muito devagar. E o acelerador... ah, o acelerador!



O carro realmente não é estupidamente rápido. Subjetivamente, até meu velho Nissan parecia mais rápido. Mas isso não quer dizer que seja um carro lento, pelo contrário. E afinal de contas, o que importa isso? Vamos apostar corrida na rua agora? Claro que não! O que importa, sempre, é como o carro é por detrás do volante. E nisso, comparar meu velho Maxima com este Ferrari é uma brincadeira de mau gosto.

Faça aquele acelerador preciso fazer um arco a partir do assoalho, e o que vem de volta é um empurrão gostoso, forte, prazeroso. O motor é torcudo, responde bem desde baixa rotação em qualquer marcha, e sobe de giro liso, encorpado, rápido. E silencioso! Ao contrário dos escandalosos Ferraris modernos, que parecem uma dupla de motos japonesas com escapamento aberto, o V-8 do Mondial se faz ouvir, mas de uma forma sofisticada e civilizada, sem ficar aí gritando pela rua feito uma madonna abandonada. Adorei! E não senti necessidade alguma de mais potência. O carro anda bem pacas, pelo menos o suficiente para entreter. Os números e os comparativos que se lasquem!



E deve ser uma delícia numa estrada sinuosa. A direção, sem assistência, lê o solo com perfeição, e é ultra- precisa nas reações. O dono do carro me advertiu que era pesada para manobrar, mas não achei; o peso, para ser repetitivo, é perfeito. Não perfeito como uma moderna direção com assistência elétrica que varia esforço com velocidade; perfeita como um mecanismo de verdade, que faz exatamente o que você manda a todo momento. A suspensão não é dura demais, mas o carro tem aquela firmeza no rodar que já te diz a que veio.

Mas o que é mais sensacional mesmo é o câmbio. Antes de se dirigir o carro, aquela alavanquinha cromada parece delicada, tão bonitinha que é com aquela bola preta em cima e a placa cromada na base marcando a posição das marchas. Mas quando você se ajeita para dirigir lá daquele jeito todo torto, mas legal, ela cai exatamente onde devia estar. Junto ao quadril, nem longe nem perto, na posição ideal. Quando coloquei o carro em movimento, acelerei e troquei para segunda, ouvindo aquele sonoro “clack!”, e sentindo o movimento mecânico e preciso daquela alavanca, ao mesmo tempo em que o V-8 cantava feito Laura Pausini lá atrás, pensei: Bicho, isso vai ser bom pacas!



E como foi... A cada troca de marcha, me segurava para não soltar um urro de felicidade, impedindo assim que o dono do carro me achasse maluco. A troca é sempre limpa, positiva, precisa. Não é leve, mas o peso não incomodaria ninguém. Como um ferrolho de rifle, um mecanismo preciso, rápido e delicioso de usar.

Apesar do passeio ser curto, sem tempo nem lugar para a atingir a intimidade e a maior velocidade que vem dela, foi uma delícia. O carro é fácil de dirigir, confortável, amigável. Mas também é algo sério, que com certeza nas mãos de um piloto hábil pode deixar muito carro teoricamente mais rápido a ver navios numa estrada sinuosa. Além disso, é de uma época que hoje me parece perfeita: sem a chata perfeição moderna, com seus mil sistemas eletrônicos me chamando de burro e tomando o controle do carro de mim, mas ainda assim com toda a confiabilidade, conforto e amenidades modernas. E a delícia que é uma boa injeção eletrônica. Comandada por um cabo, lógico.

Diferente de um carro moderno, o Mondial dá a sensação de ser realmente uma máquina. Hoje, tudo é filtrado por um computador antes de virar um comando de verdade, e nada que aja desta forma conseguirá a pureza dos comandos deste carro. E são eles, os comandos principais, a direção, o cambio e os três pedais, que são o ponto alto aqui.



O que me faz pensar: como pode uma empresa como a Ferrari, que aperfeiçoou um mecanismo tão fantástico, tão perfeito tanto esteticamente quanto funcionalmente como aquela alavanca de câmbio, depois abandoná-la em favor de borboletas eletrônicas atrás do volante? Eu sei que essas borboletas são mais eficientes, rápidas, que ganham vários milissegundos nas trocas, que servem café e chá com bolinhos quando não estão fazendo nada. Mas, sério, gente... quem se importa? Aquela alavanca é um dos maiores prazeres que um cara pode ter usando calças, e vocês vem me falar de milissegundos? Por favor...



Literalmente me faltam adjetivos na língua portuguesa para explicar o que é o carro. Os ingleses diriam “an exquisite machine”, os italianos, “una bella macchina”. Eu, fiquei sem palavras. Fiquei com vontade de aprender italiano e me mudar para Modena. De xingar todo mundo no trânsito com meio corpo para fora do carro, e a mão para cima. De cantar uma música do Peppino di Capri.

Correndo o risco de cair no lugar comum, Ferraris realmente são coisas especiais. Mas não especiais pelo preço, exclusividade, fama, imagem, mas especiais do banco do motorista. Se este, o menos amado, o mais lento dos Ferraris “modernos”, o filho bastado renegado por todos, ainda é esta coisa maravilhosa, o que mais dizer?

Óbvio: Que ainda está para nascer um Ferrari que seja menos que sensacional. 


MAO

75 comentários:

  1. Aléssio Marinho10/08/12 12:27

    Mao,

    Brilhante texto! Conseguiu descrever com rara satisfação e emoção o que é guiar um carro desses.
    Me senti guiando depois de vc..rsrsr

    "Diferente de um carro moderno, o Mondial dá a sensação de ser realmente uma máquina. Hoje, tudo é filtrado por um computador antes de virar um comando de verdade, e nada que aja desta forma conseguirá a pureza dos comandos deste carro."
    As vezes me questiono o motivo de manter meu velho Uno na garagem, saindo com ele 1 vez ao mês e me dando mais despesa que os carros novos.
    Com a frase acima, descobri mais um motivo para mantê-lo comigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Barbaridade10/08/12 21:36

      Caramba, vc consegue sentir tudo isso num uno? Deus te abençoe...

      Excluir
    2. Saudade do meu Mille Fire,dá um inacreditável prazer em dirigir,não tinha pensado ser por isso,interação homem-máquina.

      Excluir
    3. Aléssio Marinho11/08/12 11:56

      Sim, se vc souber apreciar uma suspensão independente, ou sentir a diferença entre um motor carburado e um injetado, ou uma direção sem assistência, dentro da proposta de qualquer carro. Sensibilidade, coisa que 90% dos mortais não possuem.
      Guiei diversos carros, e posso afirmar que sim, que pode existir prazer ao dirigir tanto numa Kombi 1200 quanto num Lambo de 1001 cv.
      Quem gosta de carro de verdade, não se admira só com o maior e mais caro.

      Excluir
  2. Parabéns ao proprietário. Foi muito feliz na escolha.

    ResponderExcluir
  3. MAO

    Baita post! Falar de Ferrari é sempre muito legal, pilotar, então...

    Coincidência ou não, nessa mesma época, a Lamborghini fez o Jalpa que, se não me engano, era um V8 e também não foi muito venerado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. FGV
      Sim o Lamb. Jalpa usava um V8 e tambem era um carro de entrada da marca.
      Seu V8 era de 3,5 l e desenvolvia qse de 260cv. Andava mais que o Ferrari Mondial
      Gosto mais do design do Jalpa , que parece um mini De Tomaso Pantera.
      Tambem é um carro atualmente pouco valorizado no mercado dos Eua.

      Excluir
  4. Victor Gomes10/08/12 12:40

    Muito bem escrito! Também me senti dirigindo o Ferrari. A melhor parte foi: "Eu sei que essas borboletas são mais eficientes, rápidas, que ganham vários milissegundos nas trocas, que servem café e chá com bolinhos quando não estão fazendo nada."

    Me faz lembrar quando digo que alguns carros tem tantos botões que com certeza existe algum para limpar a bunda também...

    ResponderExcluir
  5. E a pergunta que não quer calar: De quantas cifras tupiniquins o proprietário dispôs para maravilhar-se com uma dessas (se é que ele falou, vez que é quase sempre nada cortêz perguntar)?
    Fico imaginando pois estes modelos mais "obscuros" não costumam ser muito valorizados por lá. Há alguns anos li uma matéria sobre os exóticos mais divertidos que se pode comprar por menos de US$ 10,000.00 e fiquei maravilhado com a variedade. Salvo engano havia até Lamborghini na lista.
    Talvez, com as importações dos antigos e a variedade de modelos que se encontram à disposição lá em cima, uma Ferrari não seja lá um sonho tão distante quanto sempre foi para a esmagadora maioria dos entusiastas que aqui vivem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema de se ter um Ferrari não é comprá-lo. É mantê-lo.
      Enquanto uma peça de um carro normal custa X, a de um Ferrari custa XXXXXXXXXXXXXX.
      Coisa só pra 6 duzia de abastados neste país.
      Por isso que esses modelos custam tão pouco no exterior.

      Excluir
    2. A manutencao é cara mesmo lá fora .

      Excluir
    3. Ferrari sempre será caro, tanto no mercado de novos quanto no de usados. A diferença é que um europeu relativamente bem sucedido, mesmo não sendo exatamente rico, consegue comprar e manter uma F355 95, por exemplo. Tipo, se os preços fossem comparáveis aqui, um fiscal de receita conseguiria comprar um Ferrari desses.

      Excluir
    4. Ha Ferrari Mondial no Ebay de entre razoaveis 20-30K US$.
      Mas para chegar aqui ficaria em torno de 120.000 Dilmas.
      Ou seja é para poucos!

      Excluir
  6. Sempre digo que para mim o último carro da Ferrari foi o 550 Maranello. Era rápido, elegante, refinado e para se tirar tudo do desempenho era preciso saber guiar de verdade. Hoje os carros da marca se transformaram em brinquedinhos de luxo para quem quer aparecer e qualquer imbecil endinheirado consegue andar rápido como se fosse um piloto razoável, graças as muletas eletrônicas.
    Agora algo interessante são os pedais lá para o meio do carro. Nunca achei que era algo tão torto até que vi um 308 no autódromo certa vez. Fiquei me perguntando como era possível guiar algo empenado daquele jeito até que vi o velho Nelson saindo dos boxes com um sorrisão no rosto guiando aquele carro. Minhas dúvidas acabaram nessa hora.

    ResponderExcluir
  7. MAO, sem ser puxa saco, mas simplesmente falando a verdade e apenas valorizando o que temos de bom nessa época de português ruim e banalidades globais: pra mim você é o melhor escritor em território nacional hoje. E um dos melhores do mundo. Não simplesmente um colunista, mas um escritor, que consegue como os amigos falaram ai em cima, transmitir para nós leitores a realidade do texto.
    Meus parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem puxasaquismo, Arnaldo e Bob Sharp também são muito bons. De longe, o melhor time não só de jornalistas, mas de escritores sobre automóveis no Brasil.

      Excluir
    2. Anonimo, o MAO não é jornalista e sim engenheiro.

      Excluir
    3. Realmente o MAO escreve muito bem,é um especialista em transformar sensações em palavras.
      Felipe Tavares

      Excluir
    4. Bob está gagá, o Arnaldo é um FDP idiota que se acha. Que se aposentem logo!

      Excluir
    5. Adalberto,

      Obrigado, sei que o amigo exagera, mas sei também que é de coração, então aceito o elogio.

      Forte abraço!
      MAO

      Excluir
  8. MAO, as fotos me lembram a posição do volante dos Puma até 1976, bem inclinados para cima, que obrigam o motorista sentar um pouco mais à frente, estarei certo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reynaldo,

      Não é exatamente igual, é mais para frente e com as pernas ainda mais para o meio que no Puma.
      Mas com mais espaço para braços e cabeça, cabine maior.

      MAO

      Excluir
  9. Estou sem palavras. Belíssimo texto, belíssima máquina.

    Quisera eu ter tal retórica ao descrever o momento, e disponibilidade para guiar tais preciosidades. Te invejo, camarada! :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai Chicao , vai que voce pode !
      Quisera eu ter o brilho na careca que voce tem , meu chapa!
      Jorjao

      Excluir
  10. Depois de Voyage e Ecosport esse bálsamo para a alma. Grato!

    Acredito que a experiência mais próxima, para um mortal, seria uma Alfa 164 manual, não?

    McQueen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. McQueen;

      A posição parece meio "ferrada" igual nas Alfas 164 (mas só um pouquinho), e dá para sentar bem baixo no carro. A alavanca e o comando é justinha, fazendo um "cleque" bem baixo - igual ao Tempra Turbo, que dividia a mesma caixa - e o som do motor é uma opereta em dó menor italiana. Dá para mortais como nós, sentirem um pouquinho do gosta da Velha Bota....

      MFF

      Excluir
    2. Quem ja guiou um Alfa nao esquece jamais !

      Excluir
  11. Ahaha..muito bom MAO!

    A questão de xingar com meio corpo para fora, já podemos começar por aqui mesmo.

    Ótima descrição histórica e personal do modelo; que coisinha mais charmosa a versão de 1990, com aquele toque de 512TR na dianteira.

    E finalmente, uma descrição mais precisa do mecanismo do câmbio, sempre meio que negligenciado em vários testes que li (mencionavam sempre, o famoso "clic" ou "clack"); mais rola sempre uma olhadinha nos metros iniciais - na chapinha metálica - para ver se estamos conduzindo a alavanca, certo?

    Nada contra as borboletas, mas é certo que não deveriam matar a "palanca"; nem todos são leitores dos "20 esportivos mais rápidos do mundo" da Car, e nem viciados em GT5 e assemelhados....números não são tudo na vida!

    MFF

    ResponderExcluir
  12. Bela máquina, mas não anda mais que a Towner aliviada e com turbina pica-pau de um dos comentaristas do blog...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah vaaaaaaaaá !
      Depois eu que sou gozador ...

      Excluir
    2. Movida a cana... Caldo de cana!

      Excluir
    3. Que negócio é esse de turbina pica-pau???

      O pessoal está discutindo sobre a Ferrari Mondial e aparece um retardado mental falando de Towner...

      Pega seu parceiro sexual Gracioso e vão comer um dog com garapa na feira mais próxima!

      Excluir
    4. Sucateiro, acho que tão falando do já famoso carro do Mr Car...

      Excluir
    5. Sucateiro
      Sim e o carro do MrCar que tem turbina pica-pau pois ele e um motorista Capivara
      E você e um Manezao banguela que toca seu Monza podre na zona leste

      Excluir
  13. Acho que a Ferrari teve altos e baixos nas decadas de 80 e 90.
    Na minha opiniao :
    Baixos: 308gt4 ; Mondial ; e 348.
    Altos: 206/246 Dino ; 328 GTB/S e F355(cambio mecanico na grelha) nada de cambio F1.

    Mas fico pensando: Que bela experiencia voce teve, nao ? Mesmo os Ferrari (de baixa safra) devem ser incríveis de serem "pilotados" . E com certeza é sonho que qq entusiasta.
    Há uns meses eu tive uma experiencia legal. Voltando do Guaruja para Sp fui seguindo na Piacaguera e Imigrantes uma Dino 246 por varios km . Incrivel a beleza , o ronco e o magnetismo desse carro ! Fico imaginando o que seja guiar um carro dessa marca.
    Eu sou um daqueles loucos que prefere (muito mais um Ferrari da velha safra) a esses modelos atuais.
    Obrigado por partilhar conosco.
    Se possível na próxima poste um filminho para escutarmos o motor dela !

    ResponderExcluir
  14. Coisa fina esse texto e esse carro!
    Jorjao

    ResponderExcluir
  15. Duas coisas que acho ridículas em fãs de automóveis: briga entre "ferraristas" e "porschistas", como se fosse time de futebol, e a mania que todos têm de falar mal dos Ferraris pós F355, muito nem mesmo sem ter visto um.
    Mesmo o 458, que é tão odiado e zoado por pegar fogo, é um belíssimo carro. Ao vivo, é infinitamente mais interessante que em fotos. E quem vai dizer que uma 360 ou 430 não são carros de sonho? Todos com v8 aspirado de alta potência específica e belíssimo ronco (parece o som de uma moto superesportiva com o escapamento "aberto", só que mais forte). O som desses motores começa a ser ouvido quando o carro está a 200 metros de distância. Coisa muito fina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aí, continuam carros fantásticos, só mudaram um pouco para continuarem sendo esportivos rápidos como exigem deles. Nem a Porsche pode se manter competitiva usando cambio manual hoje em dia, a coisa mudou. Para quem não se importa com o desempenho e prefere mais algo como as antigas, ainda existe felizmente as V12 como a 612 (nelas que deveriam oferecer cambio manual como opcional)

      Excluir
  16. MAO,

    Tenho apenas uma coisa a dizer: por favor, escreva mais vezes.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  17. la migliore della Italia sono donne italiane, con le gambe lunghe e seni grandi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O correto é il migliori, brazuca.

      Excluir
    2. O melhor (il migliore como corrigiu o colega) são as Ferraris mesmo, essas aí das pernas grandes e peitos grandes são minoria. A maioria é que nem a mulher brasileira tipica que todo mundo fala que é a mais bonita do mundo mas é bem feia na verdade

      Excluir
  18. O Mondial é um Ferrari incompreendido, não é ruim.
    O pessoal acha que o cara tem que ser um baita empresário para ter e manter uma dessas. Nada a ver.

    ResponderExcluir
  19. Belíssimo texto, MAO. Realmente deu pra sentir a pilotagem da máquina. E eu não poderia concordar mais com a parte que trata do câmbio, essa bobagem de "borboletas" devia ficar só na natureza mesmo!

    ResponderExcluir
  20. PQP, MAO ! TKS ! Que texto maravilhoso. Por favor, escreva uma vez por mes, ao menos.

    Se esse texto nao deu uma ereção em cada autoentusiasta que leu o artigo, bom sujeito não é !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Christian Monteiro11/08/12 21:52

      Viagra Puro!
      (Neste caso, vindo de um Ferrari e não de um Bugatti, Viagra Vermelho... hehehe...)

      CM

      _________________________________________

      Excluir
  21. Sublime seu post's, diria que é a mesma coisa que tomar uma sorvete num calor diário do Rio de Janeiro.

    Ferrari, é um típico carro que vai te entregar algo além de HP e um status.

    Espero um especial sobre os Porsche's.

    Abraços

    ResponderExcluir
  22. Rafael Ribeiro10/08/12 19:34

    MAO,

    Por textos como esse eu me tornei um autoentusiasta. Isso foi no tempo da EXCEPCIONAL revista Motor 3, com os textos antológicos de José Luiz Vieira e a colaboração de Paulo Celso Facin, Celso Lamas, Fernando Almeida, JR Mahar e outros.

    Todo autoentusiasta deveria ler algo assim pelo menos uma vez por semana, algo como uma, digamos, lubrificação das ideias.

    Obrigado e volte sempre!!!

    ResponderExcluir
  23. "Os ingleses diriam 'an exquisite machine', os italianos, 'una bella macchina'", aqui no Brasil a gente diz "Puta que pariu!!!"

    ResponderExcluir
  24. Carro maravilhoso e sensacional. Uma Ferrari!!!!!

    ResponderExcluir
  25. Excelente texto, me fez lembrar da minha adolescência: quando todo mundo babava na F355 eu gostava mesmo é da 456M, ela também era um 2+2, motor V12, com muito conforto, me arrisco a dizer que podemos considera-la uma herdeira do conceita da mondial.

    A Ferrari chegou a lançar uma versão perua, a pedido de um xeique, e tinha quatro portas. (estranho neste caso)

    Segue algumas fotos e uma matéria do bestcars, para quem não lembra dela:

    matéria: http://bestcars.uol.com.br/ferrari.htm

    fotos:
    http://autokult.pl/images/2011/02/Ferrari-456-GT.jpg
    http://bestcars.uol.com.br/carros/ferrari/456m-2.jpg
    http://www.fantasycars.com/Ferrari_456/4561.jpg
    http://bestcars.uol.com.br/carros/ferrari/456m-int.jpg
    http://www.ctbaexotics.com/blog/wp-content/uploads/2010/07/Ferrari_456GT_ctbaexotics_05-800x600.jpg
    http://motoburg.com/images/ferrari-456-gt-06.jpg

    perua: http://media.autozine.com.br/0809/21-f456-sw/Ferrari-456SW-2.jpg

    Abraços

    Uellington Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A 456 GT, vem de uma linhagem mais antiga na Ferrari, presente praticamente desde o início da Fábrica. Inclusive, a antecessora dela, Ferrari 412i, dividiu a linha de montagem com a Mondial.

      Excluir
    2. A 456 era mesmo muito boa

      Excluir
  26. quando era moleque, anos 90, lembro que o Casarini tinha uma destas... sempre ia nos eventos de antigos e eu ficava babando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele tinha uma gt4
      Hoje desfila numa belíssima Alfa Spider V6
      Para mim um carro tão belo quanto qualquer Ferrari

      Excluir
    2. gt4 mesmo...ato falho!

      Excluir
  27. Texto fantástico. Parabéns MAO.

    ResponderExcluir
  28. Engraçado, não gosto muito de Ferrari justamente pela imagem exagerada criada em cima da marca, é pelo pouco que representa na realidade das pistas (tirando a F1 claro), mas o pessoal fala que a Ferrari pós 355 é "outra" marca e se perdeu no próprio égo, mas não deixa de ser verdade pois em requisito de desenho e alma foi se perdendo de fato muito e descaracterizando-se demais das suas antecessoras. Porem, mesmo assim algumas eu admiro muito justamente das 355 para trás, pois as novas não me chamam a atenção, nem a 599 GTO em que todas já tive claro o prazer de ver de perto que não sou bobo, mas não estão na minhas lista dos sonhos a F355 manual, F40, 288GTO,512 BB e TR estão lá.

    Parabens pelo ótimo texto MAO, tu sabe bem como passar pra nós meros mortais o que deve ser dirigir esses carros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antônio
      Gosto dos seus comentários
      Volte a participar com mais freqüência

      Excluir
    2. Anônimo das 11/08/12 20:34

      Valeu ae, apareça sempre tambem !

      Excluir
    3. Ironia?

      Excluir
  29. Depois de me deliciar com seu texto, lendo os coments, me diverti bastante também. Tem jeito não, feia ou bonita, Ferrari É Ferrari e sempre será um sonho de consumo inigualável. Os fuscones são ótimos carros? claro que sim, idiota é quem critíca por criticar. Só que meu cuore, balança com uma Rossa. Aí, tem jeito não. Uma bela descarga de adrenalina, num fim de semana de trabalho escravo na manutenção da "pensão" Desta vez, dona "encrenca" não vai deixar "pra lá". . Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
  30. MAO, agradeço as respostas

    ResponderExcluir
  31. Christian Monteiro11/08/12 21:57

    MAO,

    Quantos "Parabéns!" você quer por este texto???

    CM

    ________________________________________

    ResponderExcluir
  32. MAO,

    Agradeço ao dono do brinquedo por emprestá-lo, inspirando você a escrever este precioso texto.
    Volte periodicamente a postar aqui, mesmo que seja apenas uma foto com pequeno comentário. Tenho certeza que muitos, como eu, sentem a falta de acessar o AUTOentusiasta e encontrar um post recente com “Postado por Marco Antônio Oliveira” abaixo de seu título.

    ResponderExcluir

  33. MAO, congrats.

    Quase com 100% de certeza este carro precisa ter o motor baixado para uma simples troca de velas, o que lhe rendeu de cara a fama de caríssimo para manter, até mesmo para os padroes americanos e europeus.

    Abs,

    Fernando RD

    ResponderExcluir

  34. Ao Ilmo AE Alessio Marinho:

    Muito boa sua resposta.
    Tenho visto muitas coisas sobre o Jay Leno e depois que ele escreveu num Post que ele respeita o seu Mclaren F1 da mesma forma como respeita seu Fiat Toppolino com 24 cv pelas sensações que ele proporciona, me tornei seu fã de carteirinha.
    Nao sei de quem é a autoria da frase, mas vale reelembrá-la:

    "It doesn't matter how fast you go, but how you go fast."

    Saudaçoes,

    Fernando RD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aléssio Marinho17/08/12 18:07

      Fernando RD,

      Obrigado pelas suas palavras.
      Ando meio sem paciência pra ouvir groselhas, de gente que não tem o que fazer. Uma pena o anônimo ser covarde e não der a cara pra bater. Merecia.

      Excluir
  35. Warley Camurça13/08/12 20:21

    Não sou muito fã de Ferraris, mas tenho que admitir que são sensacionais, principalmente esses das décadas de 80/90, o desenho, com esses faróis escamoteáveis e as lanternas traseiras arredondas, são lindos!
    "Como um ferrolho de rifle", acertou em cheio na comparação. Realmente um carro maravilhoso, de uma época maravilhosa, não poderia ser menos que maravilhoso.

    ResponderExcluir
  36. Todos,

    Muito obrigado pelos elogios, tenho certeza que não mereço tudo isso não, mas não deixa de ser ótimo de ouvir!

    E desculpem a demora em agradecer!

    Abraço,
    MAO

    ResponderExcluir
  37. excelente blog, adorei o post, muito bom !

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...