27 de setembro de 2012

DIFERENTES VISÕES DO MESMO MERCADO

Fotos: Divulgação Hyundai e Toyota

Hyundai HB20 (esquerda) e Toyota Etios, lançamentos praticamente simultâneos


Neste mês de setembro, dois grandes lançamentos agitaram o mercado dos carros compactos no Brasil, justamente o segmento mais concorrido e responsável pela venda da maior quantidade de carros no Brasil.

Hyundai e Toyota anunciaram oficialmente o lançamento de seus novos carros para o mercado brasileiro, o Hyundai HB20 e o Toyota Etios. Devo confessar que ainda não os vi ao vivo, mas pela diferença gritante que se pode ver só pelas fotos, senti-me motivado a escrever este post, mesmo que baseado apenas em fotos e informações técnicas.

Para começar, ambos os carros têm preços semelhantes, oferecendo versões entre 30 e 45 mil reais. Justamente o segmento dos compactos premium, um segmento acima dos carros de entrada, que são os velhos Mille, Palio Fire, Celta, Classic, Gol G4 e Ka. O Fiesta Rocam, apesar de ter porte superior, acaba entrando neste primeiro segmento devido ao preço, bastante reduzido por se tratar de um modelo em fim de produção (mas não por isso mais defasado que os seus veteraníssimos concorrentes, que ironicamente são todos mais velhos que ele). Na faixa de mercado deles, eles concorrerão com Novo Uno, Novo Palio, Fox, Gol/Voyage, Onix (que virá), Cobalt, March, Versa, New Fiesta nacional (que virá), Sandero/Logan e 207. Mas, voltando aos lançamentos, os dois carros não podiam ser tão díspares, mostrando diferentes visões quanto ao mercado brasileiro.

Hyundai HB20 e Toyota Etios vistos de traseira


Primeiro, a Hyundai. Pela primeira vez, entra diretamente no Brasil, não representada pelo grupo Caoa. No acordo, a Caoa ficou com os modelos importados e com os montados aqui (Tucson e HR), enquanto a Hyundai do Brasil, filial da fabricante sul-coreana, ficou com a fabricação de carros aqui, em Piracicaba. E o primeiro lançamento da Hyundai Motor Brasil é o HB20. Ele tem a missão de colocar a Hyundai no mercado dos compactos. A marca sempre esteve ligada a carros importados, que costumam naturalmente ter manutenção mais cara, portanto, o mercado dos compactos é uma situação completamente nova para a marca no Brasil.

Para fazer sua estréia no mercado brasileiro, a Hyundai não escolheu nenhum modelo: Ela decidiu entrar em grande estilo, desenvolvendo um modelo para o nosso mercado. Baseando-se no i20 europeu, de 2008, foi desenvolvido o HB20 para o Brasil (o "B" de HB20). E, segundo a Hyundai, o HB20 será a base para o novo i20. Foi criado um carro anguloso, com estilo para surpreender. E para que não houvesse surpresas negativas na hora de abrir a porta, o interior também foi cuidado. Claro, estamos falando de um carro de 35 mil reais, então não se espera um interior luxuoso. Mas não é porque é barato que ele não pode ser bonito. E muito menos  bem-acabado.

Tecido simples e plásticos, sim, mas num conjunto agradável aos olhos e que não desagrada os dedos e nem passa impressão de mal montado. Pequenos detalhes, como um descansa-braço no banco do motorista e um porta-óculos, não foram esquecidos. Nada que aumente absurdamente o custo do carro, mas revela um cuidado com o motorista, incomum nesta faixa de preço do nosso mercado, em que o comum é a extrema redução de custos.

Em termos de equipamentos, ar-condicionado, direção assistida e airbag duplo de série em todas as versões. Realmente, é inaceitável um carro de mais de 30 mil reais que não ofereça a seu motorista um refresco ao sol escaldante. Para merecer nota 10 em equipamentos de série, faltou o ABS, que de qualquer forma será obrigatório por lei daqui a 15 meses. Podiam muito bem ter se adiantado.

Painéis: não parecem carros concorrentes do mesmo segmento

Dentro do capô, escolheram duas pratas da casa Kia/Hyundai: Um 3-cilindros de 1 litro e um 4-cilindros de 1,6 litro. O primeiro, o Kappa FFV (de Flex Fuel Vehicle), veio do Picanto; o segundo, o Gamma FFV, veio do Cerato/Veloster. Sim, tiveram a coragem de colocar o motor do Veloster num carro algumas centenas de quilogramas mais leve. Alguns proprietários de Veloster provavelmente não gostarão de ser despachados pelo mais simplório HB20... Ambos os motores esbanjam modernidade: Têm a sopa de letrinhas atual: DOHC, 16V, D-CVVT, usando bloco e cabeçote de alumínio e acionamento dos comandos de válvula por corrente, que dispensa a troca de correia dentada. Com isso, ambos os motores conseguem extrair 80 cv/litro e 10,2 m·kgf/litro (com álcool), o que atesta sua modernidade.

Enfim, o HB20 veio para chacoalhar o mercado brasileiro, levantando o nível, oferecendo o que seus concorrentes falham em oferecer: Capricho. Não que seja algo muito difícil, mas depois de décadas de engenharia de de-content, isso acabou ficando meio raro por aqui.

Capricho: fabricantes, custa TÃO CARO ASSIM colocar pequeno mimos como um simples porta-óculos?

Já o Etios não traz quase nada que seja novo para o nosso mercado. A Toyota, que faz aqui o bem-acabado Corolla (carro que no EUA é do segmento de entrada e aqui é visto como sedã médio), desceu ao nível dos outros fabricantes, oferecendo um produto similar ao que a concorrência oferece aqui.

Para fazer o Etios, a Toyota desenvolveu uma plataforma já pensada para mercados emergentes, a EFC (Entry Family Car), que, pelas dimensões, parece ser ter sido baseada na NBC do Yaris de segunda geração (2005-2010), o menor veículo da marca. Estratégia similar foi adotada pela GM no fim dos anos 90: Tomando como base a plataforma 4200 (do Corsa de 1993), ela desenvolveu o Celta, renovando o design, mas tendo em mente a máxima redução de custos, de forma a ter o carro o mais barato possível de ser produzido. Logan e Sandero também são feitos em uma plataforma “emergente”, devidamente simplificados.

A Toyota anuncia que o motor do Etios foi desenvolvido para ele. Só não conta como foi. Pegaram o bom e moderno motor 1NR-FE lançado em fins de 2008 e usado no Yaris europeu (1.329 cm³), depenaram-no do Dual-VVTi para cortar custos, aumentando sua cilindrada para 1.496 cm³ com curso dos pistões maior e chamaram-no de 2NR-FE, “um novo motor para o Etios”. Segundo a Wikipédia, o “novo motor” é o primeiro motor lançado pela Toyota sem variador de fase em oito anos.

Qual destes painéis o leitor gostaria de ter no seu carro?

O resultado foi que, enquanto o 1NR-FE desenvolvia 102 cv e 13,5 m·kgf, o 2NR-FE desenvolve 92 cv e 13,9 m·kgf de torque. Pelos números, percebe-se claramente que o 1,5-litro é inferior ao 1,3 litro. Aqui no Brasil, o 1,5 litro foi batizado de 2NR-FBE, por ser flex. O 1,3-litro daqui chama-se 1NR-FBE, com a mesmíssima cilindrada do 1NR-FE, mas com 18 cv a menos – ambos com gasolina – e 1,6 m·kgf a menos, por conta da retirada do variador de fase na admissão e no escapamento.

Comparando-se as duas versões 1,3-litro, na gasolina, potência e torque específicos caíram respectivamente de 76,7 cv/l e 10,2 m·kgf/l para 63 cv/l e 8,9 m·kgf/l. O velho GM Econo.flex de 1,4 litro tira 70 cv/l e 9,2 m·kgf/l no Cobalt com apenas 8 válvulas... Bem, a favor do Toyota ressalte-se o torque máximo aparecendo a 3.100 rpm, o que indica boa elasticidade, adequada para um carro de uso urbano, como Bob Sharp já mencionou em seu post.

Na Europa, Yaris com motor 1NR-FE parece que faz milagre: 15,6 km/l na cidade e 22 km/l na estrada (usando gasolina super européia, sem álcool, de 95 octanas RON). E o Yaris europeu pesa 1.050 kg, uns 85 kg a mais do que o Etios hatchback mais pesado, o XLS . Aqui no Brasil a Toyota divulga consumos na faixa dos 12 km/l na cidade e 14 km/l na estrada da nossa alcoosolina. Na Índia, onde, como na Europa, se usa gasolina pura, ele faz 13,5 km/l na cidade e 17,6 km/l na estrada. (olha a nossa alcoosolina e a maldição flex fazendo estrago aí no consumo). É, a economia da fábrica no motor cobra seu preço do bolso do consumidor na frente da bomba.

Algumas avaliações do Etios já perceberam esta economia na fabricação, ressaltando acabamento pouco cuidado, com plásticos que se soltam facilmente. E o painel central vem recebendo críticas quase que unânimes, inclusive aqui no AE.

Aliás, sobre o painel, grande parte dos órgãos de imprensa vem afirmando que a posição central deste é para cortar custos na transposição do volante do lado direito para o esquerdo nos diferentes países em que o Etios é fabricado. Só se for na fiação e encaixes que ficam por trás dele, pois as peças são completamente diferentes, parecem ser perfeitamente espelhadas, de forma que nenhuma peça de um parece servir no outro. Mesmo o quadro de instrumentos é espelhado, com o velocímetro sempre mais perto do motorista e o conta-giros no lado oposto.

Painéis do Etios nacional e indiano: Espelhados, não há uma peça externa comum

O Etios já nasceu depenado para os pouco exigentes mercados dos países em desenvolvimento. A Toyota nivelou-se por baixo ao ceder ao canto da sereia do menor custo possível abrindo mão do refinamento. Enfim, nada com que se surpreender, o Etios é mais do mesmo que tivemos neste segmento no Brasil nos últimos anos: Carros com acabamento barato e depenados ao extremo.
  
De forma alguma esta origem significa que o Etios seja um carro ruim: Muito pelo contrário. Ele apenas está nivelado com seus concorrentes e não tenho dúvidas de sua robustez mecânica, tanto pela tradição Toyota quanto pelo seu “DNA” de carro feito para países emergentes, em que os pavimentos não costumam ser lá muito lisos e nem a população tem condições de trocar de carro freqüentemente, o que impõe que ele tenha que ser resistente e de manutenção barata. Mesmo tendo sido depenado, seu motor ainda é um dos únicos DOHC 16V de seu segmento (os outros são os Hi-Flex da Renault e os Nissan), os outros são todos SOHC 8 válvulas dos mais baratos possíveis, ainda com bloco de ferro fundido. Etios, March/Versa e HB20 são os únicos de sua classe com bloco de alumínio. Sendo assim, pode-se dizer que os concorrentes diretos que já estavam no mercado são até inferiores a ele em muitos aspectos.

Seu lançamento tinha tudo para ser um sucesso, um compacto com a marca Toyota no mercado brasileiro, com motor avançado para o padrão nacional, entrando no segmento mais disputado de nosso mercado. Mas o grande problema do Etios foi chegar junto com o HB20, que justamente veio para elevar os parâmetros deste segmento. "Raising the bar", como dizem os americanos. Comparado com o Hyundai, o Etios perde todo o brilho.

O HB20 traz uma agradável surpresa ao querer firmar-se no mercado oferecendo algo a mais do que seus concorrentes oferecem. Talvez seja o novo parâmetro a ser perseguido pela concorrência. Depois de batermos recordes de produção e de subirmos para o quarto mercado de automóveis no mundo, com o aumento de renda da população ocorrido na década passada, com a continuamente decrescente participação dos carros com motores de 1 litro em favor dos mais caros com motores maiores, é chegada a hora da maturidade do nosso mercado atingir outro nível, passando a exigir produtos mais bem acabados, deixando definitivamente no passado a era das “carroças”.

CMF

289 comentários:

  1. Corsário Viajante27/09/12 12:07

    Resumindo: o HB20 aponta para o futuro do nosso mercado, o Etios para o passado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Etios aponta para nosso presente, pois o nosso passado já foi mais glorioso.

      Excluir
    2. "O Etios aponta para nosso presente, pois o nosso passado já foi mais glorioso." [x2]

      Excluir
    3. Passado mais glorioso... Exemplos?

      Excluir
    4. Estivemos par-a-par com o exterior. Não que os carros brasileiros eram melhores em relação ao que são hoje, mas, na época, eles estavam mais nivelados com o que existia em nível mundia.

      Excluir
    5. Corsa, Vectra b, Astra B e Meriva lançados no Brasil quase ao mesmo tempo que na Europa, e dos que foram lançados muito proximos como Golf MkIV, Focus, segunda geração do Corolla e do Civic, e por ai vai.

      Excluir
    6. No caso de Civic, Corolla e Fit/City a tendência é continuarem em sintonia com os modelos de fora, ainda que com pequenos atrasos.

      Excluir
    7. "O Etios aponta para nosso presente, pois o nosso passado já foi mais glorioso." [x3]

      Era melhor comprar um Gol básico com motor AP600 e manutenção barata do que os atuais 1.0L básicos, com manutenção cara e consumo igual ou superior ao velho AP carburado....

      Excluir
    8. Saudades do meu Corsa GSi 1.6 16v...

      Excluir
    9. La vem de novo a turma que compara consumo de carros atuais com o dos do passado...

      Excluir
    10. Na verdade, lá vem a turma que não consegue separar suas lembranças românticas da realidade do produto.
      Falaram aí da GM como prova de como o mercado era maravilhoso, engraçado falar isso no momento em que a própria GM renova completamente seu portfólio por aqui.
      Aì pegam uma ou outra série especial como "prova" que o mercado era uma beleza. Balela. De forma geral, os carros melhoraram muito. Só comparar.

      Excluir
    11. E por que não comparar, caro anônimo 27/09/12 18:37?

      Os carros devem evoluir, assim como tudo na vida. E evolução é o mesmo que andar mais e gastar menos, não é?

      Excluir
    12. Só que então tem que comparar tudo que influencia no consumo, como A/C, direção hidráulica, etc etc...
      Senão é como comparar consumo de carro pelado com consumo de carro completo usando todas as traquitanas penduradas.

      Excluir
    13. Discordo completamente. A tecnologia melhorou, sim, e muito. Os carros na media pioraram
      Preço, qualidade, acabamento, espaço interno, conforto. Quer provas de que o passado foi mais do que uma lembrança romantica? Galaxie, Dodge, Passat, Monza, Opala, Maverick... Atuais se comparados com suas versões extrangeiras, e com muito mais a oferecer do que a maioria do que tem pra vender hoje. Nao sao versoes especiais. Tem varios outros, apenas pesquise.
      Quer uma dica de que o mercado era melhor? Quando foi a ultima vez que um carro médio foi o mais vendido do pais? Muita gente aqui nao era nem nascida quando isso aconteceu. Lembra de qual era o preço dos primeiros carros polulares? Longe do que pagamos hoje

      Excluir
    14. OK, vamos lá.
      QUem ocupa HOJE o espaço que foi do Galaxie?
      Quem ocupa HOJE o espaço de um Opala (só para lembrar, por mais de trinta anos em linha o mesmo carro)?
      Quem ocupa o espaço destes carros? Dê nome aos bois. Aposto que chegaremos à conclusões interessantes.

      Excluir
  2. CMF, magnífico texto, falou simplesmente tudo o que todos pensam sobre os dois carros. Torço para que o HB20 realmente aumente o nível e a Ford, por exemplo, venha com preços competitivos para o novo Fiesta a ser produzido aqui.

    ResponderExcluir
  3. Ficamos na Torcida pelo HB 20. Minha opinião?

    O HB 20 vai vender muito bem. Não será líder, mas vai vender bem sim(Acho que ficá atrás apenas de Gol e Palio).

    Fazia tempo que não um certo "frissom" por um lançamento de carro. O carro é bonito, bem acabado e anda bem.

    Só algum erro de projeto ou um péssimo pós-venda podem ofuscar o brilho desse produto.

    O Toyota? Será um bom coadjuvante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A não ser que passem a cobrar ágio como a Kia cobra do Picanto.

      Na verdade, eles não admitem que é ágio, mas cobram R$ 5.000 de frete por carro.

      Sinceramente, eu não confio nas coreanas. Parece que querem levar MUITA vantagem em tudo.

      Anônimo...

      Excluir
  4. O Bob já encomendou o Etios Sedan dele, na cor branca.

    Vive falando de carro moderno, estilo, capricho, bla bla bla e vem aqui elogiar um carro que não cheira nem fede, mas assusta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qualquer carro é elogiado por ele, e não elogia não pra ver se continua sendo chamado pra comes e bebes e pra passear de carro zero.

      Excluir
    2. Você ainda não sabia que o Bob prefere carros hatch?

      Anônimo...

      Excluir
    3. É que o Bob é purista, se o carro é bom mecanicamente e bom de direção, pra ele tá aprovado. Não importa se o carro é feio de doer, se o acabamento é mal feito, se é menos equipado que a concorrência, se o projeto é mais antigo...
      Concordo plenamente com ele, o mais importante do carro é no aspecto de "ser carro", ou seja, ser bom de dirigir, confiável e eficiente. Porém, hoje em dia temos vários modelos na faixa de preço escolhida pelo consumidor que atendem a essas premissas básicas, então podemos olhar para esses "extras" como diferenciais de um ou outro modelo, e cobrar da concorrência que aplique os mesmos conceitos em seus veículos, sob risco de serem deixados de lado.

      Excluir
    4. Vcs são uns malas...muito chatos...se não gostam, não acessem, não leiam...
      O típico brasileiro de cidade grande...não ajuda, não cria, trabalha, mas reclama, e critica tudo o tempo todo...só reclama...e sempre quer levar vantagem...
      Se a coluna é assinada pelo cara, é óbvio que vai conter a opinião dele, ele cita os detalhes e dá a opinião...quem concorda, ótimo, quem discordar, tem todo o direito.
      Mas dai a ficar enchendo o saco dele, só pq vcs tem opinião diferente, haja paciência, Deus me livre...
      Por criaturas como estas q o mundo está como está, cada vez pior!!!

      Excluir
    5. EduRSR,

      É que por várias vezes o Bob não só se mete em assunto que não conhece, como teima em achar que manja mais que muitos leitores.

      Tem muito leitor que comenta aqui que é marketeiro, designer, engenheiro, vendedor, mecanico...

      Mas aí vem a síndrome Jô Soares no Bob de achar de manja mais que todo mundo aqui. E aí vira bla bla bla.

      Excluir
    6. Anônimo 27/9/12 12:30
      Como você é burro e invejoso, confunde tudo, dá até pena.

      Excluir
    7. EduRSR
      Disse tudo, é por isso que o mundo piora a cada dia. A quantidade de gente horrorosa só aumenta.

      Excluir
    8. Gentalha
      Falo sobre QUALQUER assunto, especialmente o tema automóvel, que conheço muito bem. Se alguém discorda do que digo, aceito sem problema algum, desde que com base. Comentário idiota, retruco mesmo.

      Excluir
    9. Quando tiver a idade do Bob espero ter sabedoria o suficiente pra não ficar alimentando os trolls.

      Vale mais a pena ir ver um bom filme...

      Excluir
    10. Não estresso com o desenho do Etios. Se viesse com um motor mais potente, o painel de instrumentos no lugar certo e com preço "decente", o carro estaria na minha lista de possível compra. Resta saber agora como é seu desempenho em curvas, já que eu prefiro um carro mais duro e estável.

      Excluir
    11. AnÔnimo das 18:29 é um gênio, realmente se tudo que é ruim fosse bom seria um ótimo carro.

      Excluir
    12. Agora ter opinião própria e rebater gente que só fala sem ter base é se achar e ser burro, além de ser obrigatório uma pessoa com mais experiência ter que se calar diante dos boçais.

      Haja saco !

      Excluir
    13. Anônimo28/09/12 08:04,

      Primeiro, meu caro, respeite os mais velhos e depois, então, exija o contrário.

      Quem não aprendeu a respeitar os mais velhos, não passa de um moleque metido a besta.

      Excluir
    14. Esse é o típico brasileiro: passa num concurso e faz greve. Trabalha na empresa privada e reclama do seu salário, anda de carro e reclama do trânsito, anda de ônibus e reclama que demora. Não chove, reclama do calor, chove reclama que alagou.
      Não é capaz de tomar uma atitude pra mudar alguma coisa, só sabe reclamar.

      É fácil campeão, não gosta dos textos do BOB, não os leia, é simples. Pule este martírio. É igual jiló, se você não gosta pra que que vai comer?

      Ao contrário do BOB, acho o Etios horrível, e o acho o celta um carro ruim que eu não gostaria de ter. Mas cada um tem o seu gosto. Tem gente que casa com mulher feia não tem? Você mesmo deve conhecer alguém. É porque para cada coisa, cada pessoa enxerga qualidades diferentes. Procure aqui no AE, o post sobre a Kombi. Excelente, um carro que os alemães se vangloriam e dão risada de vender aqui, mas que para inúmeros brasileiros é um carro ideal!

      Isso aqui é um blog de carro, pra falar de carro. Cada carro, assim como cada mulher, tem suas qualidades, e só sabe disso, quem aprecia.

      Excluir
  5. HB20 é o melhor desenho da Hyundai até agora, na minha opinião.

    Justamente porque é o menos exagerado e ainda assim parece moderno.

    O Etios eu não vou perder tempo comentando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Não é bem assim...

      Quando a Toyota perceber as burradas que fez, irá mudar algumas coisas no carro e ele venderá bem, muito embora eu não acredite que um dia ele se tornará líder.

      E se essas mudanças ocorrerem, talvez no futuro eu compre um.

      E será que a Hyundai dará conta do recado?

      Excluir
    3. A melhor coisa que a Toyota poderia fazer é matar esse carro no ninho e trazer o Yaris. Mas agora é tarde demais e só lhes resta esperar como se sai nas vendas para, aí sim, fazer as mudanças.

      Excluir
    4. Anônimo 27/9/12 12:13
      Que bobagem!

      Excluir
  6. Voz da Verdade27/09/12 12:14

    O Etios tem uma mentalidade do tempo em que "OU era bom OU era bonito OU era barata OU isso OU aquilo"...
    Hoje em dia, graças a Deus, ao invés de "OU" os carros tem que ter "E", sendo "bons E bonitos E baratos etc etc"
    Aos poucos o mercado vai ficando inteligente, embora, claro, ainda tenha muita gente que se contenta com pouco e acredite que UM bom atributo justifique não ter nenhum outro.

    ResponderExcluir
  7. O Etios é uma decepção, enquanto o HB20 é uma ótima surperesa. Belo texto e com uma opinião digna de aplausos, poucos jornalistas tem coragem de expor certas verdades.

    Jr_Jr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, pelo que vi, todos os sites sobre carros têm criticado o desenho do Etios, e elogiado o do HB20 mesmo. Não vi nada de diferente aqui.

      Excluir
    2. Mas é a pura verdade. O Etios é monstruoso, o painel totalmente sem-noção. O HB20 é pensado para o motorista brasileiro, o Etios é pensado em cortar custos ao máximo.

      Excluir
  8. A euforia que o lançamento do HB20 está fazendo no mercado me fez lembrar de quando lançaram o 206.

    O único porém é que na época e, na minha opinião, até hoje, a rede de autorizadas Peugeot é péssima. Vamos ver, pois sendo sendo fabricado pela Hyundai, a rede de manutenção vai ficar nas mãos da Caoa. Isso me assusta e muito. Depois que paga má fama, é super complicado perder.

    Mas mostra que o mercado gosta de carros bonitos, é um tapa na cara de Sandero, Agile e cia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Hyundai Motors Brasil está fazendo uma rede própria de concessionárias, totalmente desvinculadas do grupo Caoa. Parece que as Hyundai-Caoa terão autorização para fazer manutenção no HB20, mas não terão exclusividade.

      Excluir
    2. EXCELENTE saber. Qualquer coisa é melhor do que ficar na mão da Caoa. Alguém sabe se já tem relação dessas novas autorizadas?

      Excluir
    3. Muitos não sabem, mas o 206 e o 206 e meio são bons carros. Mas a Peugeot, essa que tem 48% de probabilidade de falir, não deu conta do recado em assistência técnica.

      Excluir
    4. Mas eu tive o 1º 206 1,6 que era importado e te falo. De motor era bom, sem vibração e tal, mas o resto em volta do motor era um lixo.

      Excluir
    5. No 207 meia boca brazuca eles melhoraram bastante em relação aos 206 anteriores, notadamente no conforto de rodagem, ou seja, deram um belo tapa na suspa.

      Excluir
    6. CAOA é aquele cara que mandou matar o namorado da ex-namorada dele ?

      Excluir
    7. Anonimo das 15:34.

      É ele mesmo. Mandou matar.

      O melhor que se fala dele é chama-lo de Gangester.

      Excluir
    8. Embora eu concorde 100% que a rede da Peugeot é um lixo, principalmente em São Paulo (capital), tive dois 206 e falo que foram os melhores carros que eu já tive.

      Isso porque ainda não tive um 307, que é algumas milhões de vezes melhor.

      Excluir
    9. E que outros carros você já teve?

      Excluir
    10. Jambeiro, a assistência da Peugeot também é péssima em Joinville e em Itajaí. É uma pena, porque no geral eu gosto do 307.

      Excluir
    11. Francisco Antonio Paraiso Cavalcanti27/09/12 23:45

      O mais legal dos Peugeot-Citroen é que voce compra um carro caro e quando vai reclamar da qualidade nas concessionarias eles dizem "mas eh assim mesmo, eh caracteristica do carro, se nao gostou compra um mais novo que o barulhinho/pane acaba".

      Aí o Peugeot-Citroen que custou uma fabula eh avaliado por menos da metade do que foi pago por ele. Depois reclamam que fidelizam pouco a clientela, eles mesmos depreciam seus usados e enfiam a faca com peças caras que muitas vezes nao estao disponiveis a pronta entrega.

      Excluir
    12. Francisco Antonio Paraiso Cavalcanti,

      Orçamentos - Peugeot 206 Feline, 1,6 de 16V - Carro do meu filho.


      Autorizada Peugeot:
      - Kit de correia dentada: R$ 540,00
      - Óleo e filtros: R$ 260,00
      - Velas: R$ 90,00
      - Mão de obra: R$ 570,00
      TOTAL R$ 1.460,00

      Mecânica particular bem conceituada:
      - Kit de correia dentada original: R$ 300,00
      - Óleo e filtros: R$ 105,00
      - Velas originais: R$ 85,00
      - Mão de obra: embutido no preço.
      - TOTAL R$ 490,00

      Diferença de R$ 970,00. (3x mais caro na autorizada).

      Excluir
    13. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    14. Anônimo27/09/12 20:29, tive um Escort Hobby, uma Belina Ghia 86/87 (meu primeiro carro, "doado" pelo meu pai logo que tirei carteira), dirigi muito tempo o 307 do meu pai, e no momento estou com um Astra "belguinha" (bom carro, mas o meu em específico está demandando tantos cuidados que fico até nervoso).

      Complementando meu post anterior, eu disse que os 206 foram os melhores carros que já tive, mas se forem comparados com outros carros compactos. Um Astra sempre será melhor que um 206 (embora eu ache o motor TU5JP4 da PSA uma maravilha de motor, girador que é uma beleza, ao contrário do Família II do Astra).

      Excluir
    15. Jambeiro
      Sai dessa vida de sofrimento e gastacao de dinheiro com a PSA.
      Esses carros so soa bons qdo na loja , comecou a usar é um martírio sem fim .
      De uma lida no teste de 60.000 do Peugeot 3008 da 4Rodas , uma bomba de carro!
      Quanto a assitencia autorizada um lixo para nao falar em bandidos e quadrilhas.
      O que voce acha de uma industria em que o proprio presidente admite publicamente a falta de qualidade de seus produtos no mercado Sul-Americano?

      Excluir
    16. Jambeiro,

      Apesar dos valores excessivos cobrados pela autorizada, meu filho não tem nenhuma reclamação do seu 206. Ele foi adquirido novo e já está com mais de 120.000 km rodados sem problemas.

      Excluir
    17. os carros da PSA são a melhor experiência para quem deseja o comportamento de um carro antigo (panes frequentes) com o visual de um carro novo

      Excluir
  9. Única ressalva ao câmbio automático de 4 marchas que poderia ser um mais moderno.

    ResponderExcluir
  10. E o Gol, hein, ainda vale?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale um pastel de feira

      Excluir
    2. Mas leva o caldo de cana junto?

      Excluir
    3. olha a promoção!!

      Excluir
    4. Joca Mello27/09/12 15:15

      A chegada do HB20 é positiva, vai acelerar a modernização do Gol. Quanto ao design externo, acho que a VW foi feliz na reestilização (ficou parecido com o Polo alemão lançado em 2010...), já o design do coreano, apesar de moderno, me parece enjoativo. O Gol perde mesmo é no acabamento interno, que é muito pobre, e na diferença de potência do motor, apesar que na pista essa diferença desapareceu comparando-se os testes do C3 (com 122cv) e do Gol (104cv) na última QR.

      Excluir
    5. O que a 4 patas escreve não se lê. Mas uma coisa é certa, a aerodinâmica do Gol está anos-luz à frente da do C3.

      Excluir
    6. Com o Hyundai pegaria muito mais garotas na porta das danceterias...

      Excluir
    7. Danceteria?
      Coroa pagando de boyzinho!

      Excluir
    8. Huahuahauahauah!
      Anônimo27/09/12 18:36, é que aqui no interior ainda chamamos de danceteria.

      Excluir
    9. Anônimo27/09/12 15:29, não gostei do teto de vidro do C3. Daqui uns dias vem com piscina.

      Excluir
    10. O novo C3 ficou muito bonito e aquele teto deixou muito atrativo.
      Mas disco sólido na frente e tambor atrás não rola.

      Excluir
    11. Se esse Hyundai pegar a VW abaixa o preço dos dois Gols e a Fiat do Novo Palio e dos dois Unos. Aí sim vamos ver briga boa!

      Excluir
    12. C3 com disco sólido na frente! Minha nossa!

      Excluir
    13. Anônimo 27/9/12 20:29
      Os discos de freio do novo C3 são ventilados. Quem disse que são sólidos?

      Excluir
    14. O site da Citroen informava sólido.

      Excluir
  11. Minha esposa comentou comigo hoje de manhã que na escola em que ela trabalha já há 4 professores doidos para comprar o HB20.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E professor tem dinheiro pra isso....

      Excluir
    2. Se for da UNB tem.

      Excluir
    3. Se for em 60 parcelas, tem.

      Excluir
  12. Será que a Toyota não está lançando no mercado um carro mal acabado e com painel "esquisitóide", para evitar vendas astronômicas que poderiam gerar filas intermináveis e sem que pudessem suprimi-las?

    Anônimo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fazendo uma fabrica com potencial para 100 mil veiculos/ano? Er... Acho que não hein?

      Excluir
    2. Anônimo27/09/12 12:22
      Cara voce é um genio, acertou na mosca!
      Certamente a Toyota gastou bilhoes nesse projeto para vender só um pouquinho. Eles adoram rasgar dinheiro!
      Por favor.. Pense um pouco mais antes de fazer comentarios como esse.
      Se fizer será calcinado sem dó.

      Excluir
  13. Nunca vi lançar produto ruim pensando em não vender muito. Isso não condiz com o capitalismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma grande companhia que lança um produto para vender pouco e queimar a cara... foi um erro ou equívoco estratégico, mesmo que planejado. Vendessem o pequeno da Toyota aqui em vez do Toyota do 4.o mundo...

      Excluir
    2. Também acho que o Yaris ainda que depenado seria melhor que o Etios.

      Excluir
  14. Fui convidado para o lançamento do Etios amanhã, às 19h25min na concessionária.

    O Etios tem muitas coisas que me cativam, mas com esse painel descarto comprá-lo.

    O que acho estranho, é que há muito tempo as pessoas se referem ao painel como muito feio e de difícil leitura. Porque a Toyota não mudou isso antes do lançamento?

    Urge o retorno imediato às pranchetas para elaborar um novo painel.

    Caso contrário, será o maior fiasco da Toyota em todos os tempos.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso que me espanta. Quando lançaram o Agile todo mundo falou que era feio e a Chevrolet insistiu nessa onda de frente de caminhão. Será que as opiniões não chegam até os fabricantes, pois nunca teve tanto carro feio como hoje em dia.

      Excluir
    2. O que determina os rumos de um modelo é a quantidade de vendas.
      Nem todo mundo precisa ter os mesmos gostos, nem as mesmas preferências.
      Pessoalmente, acho uma aberração comprar um SUV para andar numa cidade, ou viajar apenas no asfalto, mas as vendas ditam a predileção do mercado.
      A entrada dos dois modelos devem ser aplaudida, tendo em vista o aumento da concorrência entre os fabricantes. E que cada um escolha o carro que melhor lhe sirva, diante das opções.

      Excluir
    3. Sou da mesma opinião do GB aí, mesmo que eu não tenha a mínima intenção em adquirir um desses modelos, é muito bem vinda a chegada do Etios e do HB20. E que produzam mais modelos aqui.

      Excluir
    4. 19:25H ?????? vai vir de trem bala ?
      Japon~es é foda mesmo....

      Excluir
    5. 19:25?

      Não entendi...

      UIO

      Excluir
    6. 19:25?

      Não entendi...

      [2x]

      Excluir
    7. Anônimo27/09/12 15:35: Eta cachaça da gota!

      Excluir
    8. Foi convidado para o lançamento (comes e bebes, test drive, mulherada recepcionando, etc.) e ainda fala mal do painel. Seu convite pode ser cancelado! rsrs Agora, que o painel do pequeno toyota é horroroso, isso é.

      Excluir
  15. Vi o preço do Etios e achei um absurdo pelo que oferece, 30 Mil e nao vir nem com ar condicionado e direção hidraulica é um absurdo. Com certeza ira vender muito, pois é Toyota e não da manutenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se é assim mesmo e com esse preço só podem estar apostando no "nome" Toyota para cobrar isso, o que ela e a Honda já fazem a tempos no Brasil.

      Excluir
    2. Fazer um "nome" demanda muito esforço e tempo, todos que têm um, obviamente irá tirar proveito. Vide Sony, Apple, etc..

      Excluir
    3. Mas no meio de home theater a Sony já perdeu a aura faz tempo. Só continua viva na cabeça dos leigos devido a era das Trinitron. E Apple no Brasil não considero que tenha construído nome ainda, visto que para mim é mais uma modinha que se iniciou com iPod e depois iPhone e por fim iPad. Na época do Mac ela não era tão modinha assim, a não ser em certos nichos onde eles próprios se acham moderninhos e querem ser diferentes como os publicitários.

      Excluir
    4. Camera digital e notebook da Sony, por exemplo, sempre custam mais que modelos de características similares de fabricantes com menos "nome".

      Excluir
    5. Sony pode ser mais caro, sim, concordo. Mas dizer que é ruim vai uma enorme distância. Mesmo assim comprei um notebook DELL e não tenho do que reclamar. Gostei bastante.

      Excluir
    6. Anônimo 09:46,
      Ninguém disse que Sony é ruim... Só que cobram um extra pelo "nome".
      Quanto a qualidade, pode não ter fundamento, mas um conhecido meu que trabalhava numa empresa que fornecia componentes pra Sony disse que ela era a cliente mais exigente em termos de controle de qualidade.

      Excluir
  16. Se todo mundo que diz estar na fila chegar a assinar o cheque, vamos ter ágio sobre o valor do HB20, da mesma forma que aconteceu quando do lançamento do Corsa, à época, muito mais avançado que a concorrência.

    Caso situação similar aconteça, vai ser um estímulo para a concorrência se atualizar. Ainda tínhamos Mille carburado, Gol "quadrado" e Escort rodando com motor CHT e o próprio Chevette com o seu anêmico 1600 capado.

    Vamos aguardar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se servir para evoluir os outros, é muito bem vindo. É o famoso ditado: Em terra de cego quem um olho é rei.

      Excluir
    2. Bem lembrado, Raphael... Um dos maiores micos da GM foi esse, fazer um carro novo muito acima do que havia no mercado na época (Fusca, Gol 1000, Escort Hobby, Uno Mille), gerando assim uma enorme expectativa e desejo de compra e depois não ter carro pra entregar, o que canalizou muita venda frustrada para o Mille.

      Espero que a Hyundai esteja a par deste episódio da GM no Brasil, ou arrisca repetir a história e vender muito carro dos concorrentes

      Excluir
    3. Huahuauhauhauhauhauhauhau... "Chevette com o seu anêmico 1600 capado".
      Eu morro de rir nesse blog!

      Excluir
    4. Anônimo 27/09/12 18:09
      Vai rindo, meu filho , porque na hora que você for capado vai começar a chorar

      Excluir
    5. Anônimo27/09/12 20:33, gostei do comentário do Chevette... só isso.

      Excluir
  17. O HB será mais uma daquelas modinhas, como o Corsa foi em 94, o "Pejô" 206 em 99, o C3 em seguida e assim por diante... Em pouco tempo teremos milhares de HB nas lojas de usados, desvalorizados e malhados.

    Já o Ethios, aposto com quem quiser, setá longevo e de prestígio. A Toyota sabe o que faz, por isso tem o bom nome em todo o planeta.

    Seu Zé

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas não considero que o C3 teve o mesmo impacto do que o Corsa e o 206.

      Excluir
    2. O Corsa de 94 teve impacto enorme, por ser de uma marca tradicional e com vasta rede de concessionárias. Em comparação, o "impacto" causado pelo 206, na prática, foi muito menor.

      Excluir
    3. O 206, e o c3, desvalorizados e malhados??
      Desconheço isso... pelo menos aqui no rj são carros muito caros mesmo usados......

      Excluir
    4. O Corsa 94 trouxe uma nova era de carros para o Brasil. "Pelamordedeus", a primeira vez que entrei em um Corsa, saindo de um Gol, fiquei espantado pela qualidade do acabamento. Porém, na época não comprei um porque só tinham os motores 1.0 EFI e o 1.4 EFI, muito anêmicos. Eu dirigi por um bom tempo um Corsa 1.6 MPFI, com bons 92cv. Mais tarde comprei um Corsa GSI 1.6 16v.

      Excluir
    5. Corsa 94 foi carro de moda? Até hoje vende bem (Classic)

      Excluir
  18. CMF, apenas uma correção, apesar do motor renault/nissan ser um 16v, não se trata de um DOHC, pois tem comando único no cabeçote.
    Abraço e obrigado pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão, GB

      O motor Renault D4D-HIFLEX, o 1-litro 16V que equipa o Clio, Logan/Sandero e Nissan March é realmente 16V SOHC. Tem bloco de ferro fundido e cabeçote em alumínio.

      Já os motores de Renault 1,6 litro são o K7M (8V-SOHC) e o K4M (16V-DOHC).

      Os Nissan de 1,6 litro levam o motor Nissan HR16DE, DOHC 16V todo em alumínio.

      Excluir
  19. O HB 20 está realmente causando um frisson. Deve-se também ao status que a marca adquiriu no Brasil, especialmente atrelado ao i30, que confere certo status (ou aparente status) aos donos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Status de otário. Carro de mané citadino.

      Excluir
    2. I30 é o futuro carro de vileiro, quando os Audi A3 ja não estiverem mais se aguentando em pé

      Excluir
    3. FATO!
      Ainda mais com os "rodauns di deiszesseite cromadussssss"

      Excluir
    4. Anônimo27/09/12 17:10,

      Algo me diz que os Audi A3 ainda estarão firmes quando os i30 começarem a cair aos pedaços...

      Excluir
    5. Mais vítimas:
      - GM: Monza, Omega, Chevette
      - VW: Qualquer AP, Golf
      - Fiat: Marea, Tempra
      Estou esquecendo de algum?

      Excluir
    6. E onde que i30 é mico???
      Ta vendendo q nem pão quente, tem mais motor, mais itens de conforto, design bacana e custa 15% menos que qquer carro das concorrentes similares nesses aspectos.
      A Hyundai não é mais a mesma que veio pra Brasil em 91 com seus Excel/Elantra... O mercado mundial já a respeita, EUA e Europa compram bastante.

      Excluir
    7. Esqueceu o Ford Fusion (o primeiro)

      Excluir
  20. Faz tempo que torque máximo deixou de ser parâmetro para elasticidade do motor. O celta vhc-e trm torque a altas 5200 rpm e seu motor é bem elástico, visto que sua curva de torque é bem plana.

    ResponderExcluir
  21. Acho que eu quero um HB20...
    Gabriela - Brasília

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui não é a concessionária

      Excluir
    2. Vou te dizer unde lhe cabe uma Homérica Barra de 20 cm ....

      Excluir
    3. gabriela eu vou lhe usar....
      junto com o HB20!!!

      Excluir
    4. Vcs são patéticos...
      Os consumidores "entusiastas" são os que menos importam pras montadoras, pq não temos representatividade no mercado.
      O que as empresas querem são pessoas como a Gabriela, q vão olhar o carro, entrar, gostar do desenho, ver q atende suas necessidades, e enfim comprar...
      E daqui alguns anos lançam o novo HB 20 e ela vai achar a mesmo coisa, e trocar o dela...

      Excluir
  22. Não concordo que um motor de alumínio e/ou 16v com DOHC possa ser considerado superior por causa disso, o que importa é na verdade o resultado final. Esse motor do Etios é de alumínio, tem 16 válvulas, duplo comando... e aí? Nem por isso o Etios é mais leve, mais potente ou mais econômico que a concorrência e ainda por cima tenho certeza que esse motor do Etios sai mais caro para ser produzido do que os simples motores de ferro fundido, 8 válvulas com comando único. Ou seja, na verdade o motor desse Toyota é mais um pequeno erro de engenharia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Francisco Antonio Paraiso Cavalcanti27/09/12 23:54

      Eh, mas vai falar isso para quem eh "especialista de ficha tecnica".

      Excluir
    2. Motor com bloco em alumínio = menos peso, melhor troca de calor, menor consumo...
      Motor DOHC são mais eficientes na admissão/exaustão, o que indica melhor rendimento...
      A engenharia é a ciência do compromisso, sempre que vc puxa o cobertor de um lado, um outro ficara descoberto. O que eles tentam sempre é minimizar esses efeitos. O Etios é o conjunto que a Toyota teve vontade. O motor mais leve, por exemplo, pode fazer a montadora melhor os materias de forração, pq a maioria do mercado prefere um carro mais silencioso do que 0,1 km/l mais econômico...

      Excluir
    3. Os motores ZZ da Toyota são todos de alumínio e pesam mais que muito DOHC da concorrência com bloco em ferro fundido. E por favor, não confunda DOHC com fluxo cruzado.

      Excluir
  23. Carro japa tem aquele mito de que não quebra, mesmo que o motor seja alemão (Bandeirante) ou francês (Nissan)...Agora a expectativa da Toyoda com o Etios é a seguinte: penetrar no segmento dos populares com a mesma velocidade que o Corolla entrou no dos sedans médios -- devagar e sempre. Quem não se lembra daquele primeiro Corolla nacional, de 99 a 2003? Fraquinho na aparência e no motor, mas se firmou, vai entender.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O "Bandeirante" só teve motor MB no Brasil, no resto do mundo (Land Cruiser) teve motor Toyota mesmo, e fez fama de indestrutível, em ambientes mais inóspitos e condições mais precárias de manutenção. Quanto à Nissan, ela tanto usa motores da Renault, quanto fornece motores para modelos Renault.

      Excluir
    2. Se a Renault tivesse motores V8, talvez pudessem fornecer para a linha Infinity da Nissan.. Kkk

      Excluir
    3. o meu logan renoult da minha mae é 8V e eles tem até 16V

      Excluir
    4. Francisco Antonio Paraiso Cavalcanti28/09/12 00:01

      Primeira geração do Corolla não era fraquinha, naquela epoca eu andava de Vectra GLS 2.0 8V (112 cavalos) e meu pai havia acabado de comprar um desses Corollas, declarados 116 cavalos (mesma potencia do Escort Zetec) mas era muito mais rapido e veloz que o Vectra.

      Excluir
    5. Os Corollas da 8ª geração são excelentes carros, conseguem aliar baixo peso, tamanho comedido, ótimo acabamento, bom desempenho (para um sedan familiar) e excelente consumo de combustível, tudo isso com boa durabilidade e preço justo. Pena que não se firmou mais, pois hoje um Corolla defasado é carro de luxo, antigamente estava à frente da concorrência e ainda assim estava na sua devida categoria.
      Mas ele cresceu e é caro agora, né?
      Aliás, o mesmo vale para o Civic da 6ª geração, mesmas qualidades (e deste falo com mais propriedade, pois já tive experiência longa com mais de um): Motor excelente, leve, girador, desenvolvendo boa potência em regimes mais altos, boa sonoridade, cambio de engates rápidos e precisos, posição de dirigir baixa, comportamento dinâmico bem acertado, aponta bem em curvas, direção com ótimas respostas e tudo isso entregando acabamento acima da média e um consumo de combustível bem baixo (no ciclo urbano variava entre 11 e 12 km/l com pico máximo de 12,3 km/l - Cambio manual sempre). Esta geração dos japas era a mais racional e interessante (e ainda surrava sem dó a concorrência em atributos, vide testes de época), depois engordaram, começaram a beber como demônios (inicio da era flex - Civic bebendo igual V8), encareceram, e aí que o pessoal passou a gostar.

      Excluir
    6. "...e aí que o pessoal passou a gostar."

      Sim, e (infelizmente) mostra que esses fabricantes estavam certos em optar por esse caminho...

      Excluir
    7. Civic 1997 e Corolla 1998, surravam o Astra Sedan, mas ai alguem resolveu mirar no Vectra e acabaram estragando os dois carros, que hoje sao baleias japonesas bem gordas, largas e pesadas.

      Excluir
  24. Acho que a Toyota vai vender mais Etios do que HB20 por um bom tempo por causa do número de concessionárias. A Hyundai tem um belo produto mas não vai ter como escoar a produção.

    ResponderExcluir
  25. No fim das contas, infelizmente, a compra "racional" para alguns será o Etios. "É um Toyota, vai que a Hyundai vai embora?" "Carro coreano não presta, vai ser mico quando tiver uns 3 anos", e por ai vai.

    ResponderExcluir
  26. Amigos... Porque se estressar? Basta comparar volumes de vendas que ambas empresas pretendem. 150 mil carros para a Hyundai e 70 mil a Toyotá, incluindo todos os catalogos disponíveis . NEM A TOYOTA ACREDITA QUE TEM UM BOM PRODUTO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem notado

      Excluir
    2. Pois é, 70 mil carros no ano é quase nada... OH, WAIT! Acho que não, hein?

      Excluir
  27. Eu já vi esse filme e já sei qual será o futuro do "caprichado" HB20. O mesmo de todos os outros produtos inovadores deste mesmo segmento.
    Ressalvadas as devidas diferenças, é difícil não lembrar do caso do Clio, nacionalizado em 1999 com airbag duplo de série, um som original para a época muito interessante, com o display separado do aparelho, rodas aro 14 polegadas (até então inéditas em ditos "populares"), para-choques com furos prontos para faróis de neblina, apoios de cabeça e cintos traseiros retráteis de 3 pontos e um acabamento, por assim dizer, superior ao de certos carros de categoria superior. A partir de 2006, o cenário passou a ser outro: os airbags foram sumariamente eliminados, o som também, o conta-giros também, os plásticos e tecidos do interior viram sua qualidade cair muito. E o preço? Continuou o mesmo. Citei só um de muitos exemplos. Certamente o HB20 não terá destino diferente, pois no Brasil não tem como fazer diferente. Geralmente quem é fã de uma marca por causa do nível de acabamento de determinado modelo, espera que essa qualidade se mantenha com o passar do tempo, e não é o que tem acontecido. A Hyundai melhorou muito seus produtos em relação aos dos anos 90, é verdade, mas no segmento dos compactos a piora é só uma questão de tempo.
    Quanto à simplicidade maior do Etios, bem, é uma questão de postura da Toyota, o Corolla nunca chegou perto do Civic em termos de acabamento e equipamento e sempre vendeu bem por ter outras qualidades. Mas não creio em preços extremamente próximos para os dois concorrentes. O Etios devera custar menos para concorrer num segmento levemente inferior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos os carros que foram ficando depenados viraram micos, já os que ganharam acessórios com o tempo acabaram virando sucesso de mercado. Vamos ficar de olho com o que vai acontecer com esses dois.

      Excluir
  28. Cade o Clio quando voce fala dos carros de entrada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, faltou o Clio, que é o Clio II lançado em 1998 na França. É, mesmo adicionando o Clio, o Fiesta continua sendo o projeto mais novo da turma. E é o único marcado para morrer em breve, possivelmente no final deste ano.

      Excluir
  29. Se o Etios viesse com uma proposta Tata Nano também no preço, eu até entenderia. Mas os caras lançam uma bomba e ainda chutam o balde no preço? É muita cara de pau.

    ResponderExcluir
  30. Se esses dois carros fossem apresentados no final da década de 90, diria que o HB20 é de origem japonesa e o Etios de origem coreana.

    Asterix

    ResponderExcluir
  31. Vejam:

    http://wp.clicrbs.com.br/pretinhobasico/files/2012/09/atletismo_levantamentodepeso.jpg

    ResponderExcluir
  32. Aléssio Marinho27/09/12 18:33

    Só o tempo pra atestar a qualidade de cada um, veremos como vão envelhecer. Acredito que esse é o melhor parâmetro de qualidade de um auto.
    A Hyundai oferece 5 anos de garantia. É um ato de coragem oferecer uma garantia tão longa no nosso mercado nesse segmento, e me soa como um ato de crença no seu produto. Sei que a rede de assistência vai fazer a sua parte e espantar a clientela antes do final da garantia, mediante assalto.
    Quanto ao seu comentado e elogiado desenho, é diferente do que vemos por ai, mas acho o Gol, o Palio e o Novo Uno mais equilibrados. Esse exagero da Hyundai pessoalmente não me agrada. Mas torço que o interior do HB20 eleve o nível da categoria. Precisamos de interiores mais claros e com mais tecido revestindo as portas, como a Fiat usava no Palio e Uno a alguns anos.
    Quanto ao Etios, deve ser um produto confiável, com soluções "diferentes", mas muito estranho no visual.
    Daqui a 5 anos vamos ver as condições que esses dois vão chegar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aléssio Marinho,

      É provável que a grande maioria vote contra, mas o meu voto é para o Toyota.

      Excluir
    2. Me faz lembrar aqueles primeiros Corollas que venderam por aqui, muito feiinhos e menores que os concorrentes diretos. Passados não-sei-quantos-anos, ainda pode-se ver deles por aí, firmes e inteiros.

      Excluir
    3. "Daqui a 5 anos vamos ver as condições que esses dois vão chegar".

      Com certeza os dois vão chegar da mesma forma que qualquer carro atual com 5 anos de uso. É só fazer a manutenção preventiva e não usar óleo de fritar pastel na feira...

      Excluir
    4. Estão firmes e inteiros pois ou foram para a sucata ou estão na mão de donos velhinhos também. Não foram para as mãos dos manos, pelo menos ainda. E são pouquíssimos.

      Excluir
    5. Aléssio, eu tenho lá minhas dúvidas quanto a essa questão de garantia. Será que realmente é fé no produto ou uma alegoria de matemática financeira e probabilidade?
      Existem algumas variáveis a serem destacadas:

      - Relação de expectativa de duração dos componentes x lucro sobre revisões, peças e serviços:

      Aqui há um sistema de balança. Quanto mais se puder definir acerca da durabilidade dos componentes em determinado período de tempo (e não necessariamente o quão duráveis são), mais segura é a previsão média de gastos para cobrir defeitos na média para cada automóvel vendido. Assim sendo, mais segura é a equação que vai determinar quanto deve custar cada revisão para cobrir e ainda gerar lucro em cima da garantia do produto. Muito fácil embutir preço em peças e serviços.
      Daí pode-se concluir que a garantia cresceu não fruto da melhora da qualiadade do produto em si mas sim da maior precisão com a qual se pode determinar as variáveis da equação que propus acima. Lembro-me de ter lido, certa vez, um artigo da Ford sobre a aquisição de um novo microscópio ultrapotente que "ajudaria a sanar microfalhas nos materiais e aumentar o padrão de qualidade", mas também achei que este mesmo microscópio poderia ser utilizado para saber o que poderia ser melhorado a baixo custo para reduzir o custo da peça e prever melhor sua durabilidade, tudo nos ditames da obsolescência programada. Pode ser paranóia minha, mas se a fabricante possui meios de aumentar seus lucros, não vai entregar de mão beijada ao consumidor simplesmente mais qualidade pelo mesmo preço (ainda mais em nosso mercado, onde mesmas carrocerias encontram diferentes empregos de materiais de segurança para aliviar custos de produção e potencializar os lucros).
      Não lembro recentemente de ter tido algum amigo ou conhecido que teve qualquer problema com carros novos de até 5 anos de uso. Os que eventualmente se tornam problemáticos são justamente aqueles vitimados pela "porcetagem de unidades defeituosas", e esses defeitos se manifestam brevemente.

      Excluir
    6. - Das causas do defeito, alegações de mau uso do consumidor:

      Já ouvi vários relatos assim. O produto dá defeito dentro da garantia, o fabricante alega mau uso, culpa exclusiva do consumidor. Qual a solução? Uma boa fabricante (a que não quer perder seu cliente) vai lá e, depois de uma boa "caseira para ver se desiste" em cima do cliente, procura resolver o problema de forma mais barata possível e, não conseguindo, em última análise troca o produto. Não raro, entretanto, o consumidor deve recorrer às vias judiciais para conseguir a troca do produto e, se assim o faz, o próprio Código de Defesa do Consumidor lhe garante plena e praticamente infinita garantia contra "vícios ocultos" (o prazo de garantia, nesse caso, só começa a correr da manifestação do vício, independendo de quando houve a aquisição). Se de um modo ou de outro o consumidor tiver de recorrer à justiça (e olha que quando atuava na área consumerista cansei de presenciar casos assim), então de que valhe ficar custeando manutenção cara em concessionária? A garantia, nesta hipótese que mencionei, passa a ser mero argumento de venda.

      - Da extensão da garantia apenas a itens específicos:

      Aqui as letras miudas pegam. Não é impossível de imaginar que muitas garantias prolongadas digam respeito somente a determinados itens no seu termo mais amplo (por exemplo, garantia de 5 anos contra corrosão na carroceria), porém outros itens mais propensos a apresentar defeitos (como conjunto motriz, suspensão, módulos eletro-eletrônicos, etc) podem ter sua garantia findada muito antes, com 1 ou 2 anos. O fato é que tudo aquilo que extrapola a garantia mínima legal pode ser convencionado em contrato de adesão à completa disposição do fornecedor/fabricante, desde que não contenha cláusulas ilegais. Garantias anunciadas nunca dizem respeito aos limites de sua extensão, mas será que são sempre totais, cobrindo até o menor dos parafusos?

      Como disse, pode ser paranóia minha, mas ainda acredito que a garantia prolongada é um belo e largo rio que corre às avessas, parece vasto e profundo a princípio, mas se esvazia em seus afluentes e meandros até minguar a quase nada, justamente quando mais se precisa dele. Como argumento de venda, entretanto, é simplesmente genial.

      Excluir
    7. Charles, penso da mesma forma quanto à esse assunto (sim, eu li tudo...).

      Excluir
  33. A Toyota vai fazer com o Etios aquilo que a VW fez com o Fox... na próxima remodelação ela troca o painel, que agora está muito bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso me lembra a piada do bode. Os caras lançam um produto todo fraco, mas com uma parte horrível. Daí quando trocam a parte horrível todo mundo acha o produto lindjo.

      Excluir
    2. kkkkkkkkkkkkkk!!!!

      Excluir
  34. Saudades do meu Corsa GSi 1.6 16v... X2!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudades do meu Corsa Sedan GLS 1.6 16v !!!

      Excluir
  35. HJ;
    HB20 até uns 40 mil, New Fiesta até 50 mil.seriam as minhas escolhas.

    tomara que o onix venha com plataforma nova pela amor ...GM !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai vir com plataforma nova, sim, a Gamma II. mas não se anime muito pois já vazou que o motor será o 1.4 econoflex com 106 cavalos, apenas 1 à mais que o falecido Corsa. Aquele papo de motor 1.4 S4 (uma versão turbo) foi apenas tiro de festim. Uma pena.

      :-(

      Excluir
  36. Etios vai virar mico.
    impossivel comprar ele e o Agile.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

      Excluir
  37. Eu prefiro o Hyundai HB ao LADA Etios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Lada Granta é realmente bem melhor em visual do que o Etios:

      http://www.zastavki.com/pictures/1024x768/2012/Auto_VAZ_Lada_Granta_033485_.jpg

      Não ofenda a Lada.

      Excluir
  38. Notaram que o HB20 tem luzes individuais de leitura na frente? Tem carro mais caro que ele que não possui. É, pelo visto a Hyundai pensou em muito mais detalhes que a Toyota ao fazer o Etios, sendo que ambos terão preços próximos (que só não são mais próximos porque a Toyota baixou o do Etios em R$ 6.000).
    Já vi o Etios ao vivo e pareceu-me aquele carro bem acabado em sua simplicidade, mas ainda assim realmente some do lado do HB20. Aliás, o HB20 está continuando uma tendência iniciada pelo novo Palio: a de carros para países em desenvolvimento que não possuem aparência ou acabamento de carros para países em desenvolvimento. Com certeza daria para imaginar o HB20 sendo vendido em algum outro lugar do mundo e competindo de igual para igual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só não sei de onde tirou isso do novo palio...
      Tá que não é horroroso, mas pra bonito não serve, e o acabamento é CLARAMENTE de carro pra país de 8º mundo, infinitamente inferior ao palio anterior, inclusive... Não trocaria o meu elx 2011 por um dos "Novos"...

      Excluir
    2. O Palio morreu naquela 3a reestilização. De lá pra cá, só coisa estranha, ainda mais esse último, aquela cara de bagre cansado com uma traseira nada a ver...

      Excluir
  39. A proposta da Toyota seria o lançamento de um carro racional. Mas racional não significa espartano e feio. Ela pisou na bola feio nos quesitos estilo, design interno, acabamento, inexistência de equipamentos e preço. Não sei se vai ser um fracasso, pois a Spin está vendendo bem, apesar de horrorosa e apertada, somente por conta do nome Chevrolet. Muita gente pode comprar, só por causa da marca. da minha parte, acho, em resumo um dos piores lançamentos da Industria nos últimos anos. A Toyota me decepcionou, e muito. Se esta moda pegar, já me vejo em uma espécie de Mumbai, cheio de TukTuks, Nanos e Etios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendo como a GM consegue vender essas monstruosidades que vemos, tipo Agile, Cobalt, Spin, Montana... Já tive 2 GM na época boa, mas pra mim a GM MORREU em 2003. Não compro nada dessa marca mais.

      Excluir
    2. A Montana é o melhor exemplo de como se pode piorar um modelo com o passar do tempo. Tirando o interior da nova que é mais bonitinho (mas com material mais vagabundo), não tem nada, absolutamente nada de melhor que as antigas.

      Excluir
  40. Diogo R Santos27/09/12 21:55

    Um dos conceitos que nortearam o design do Etios foi a chamada "simplicidade ousada". Pois bem a mistura de dois conceitos tão antagonicos dificilmente resulta em algo agradável. Some isto a um limite de custos e teremos uma CATÁSTROFE: eis o Toyota Etios

    ResponderExcluir
  41. Sras, Srs.
    Em termos automobilísticos a Índia esta bem atras do Brasil, menos tradição em sua industria, la eles tem cada aberração que nao venderia uma unidade seguer aqui.
    O Etios se encerra neste contexto, sendo um produto para um mercado ainda menos exigente que o nosso.
    Embora tenha preconceito explicito contra produto Coreano, mais ainda contra Xineis, tenho que admitir que desta vz eles ganharam, gostei demais do motor de "Lentoster" no HB20.
    A propósito o Lentoster esta micando no mercado ou eh impressão minha?
    Acosta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acosta
      vc é um dos poucos que tem bons comentarios e entende de carros
      continue escrevendo no blog.

      Excluir
    2. O Lentoster não está micando. Está vendendo o que vende um carro de mais de 80 mil reais: POUCO.

      Excluir
  42. "seu motor ainda é um dos únicos DOHC 16V de seu segmento (os outros são os Hi-Flex da Renault e os Nissan), os outros são todos SOHC 8 válvulas dos mais baratos possíveis, ainda com bloco de ferro fundido. Etios, March/Versa e HB20 são os únicos de sua classe com bloco de alumínio. Sendo assim, pode-se dizer que os concorrentes diretos que já estavam no mercado são até inferiores a ele em muitos aspectos."

    O consumidor não quer saber de SOHC ou DOHC, quer saber de potência real, palpável em todos os regimes, pouco importando o número de comandos. A mesma coisa para o material do bloco: tem motor com bloco em aluminio que pesa mais que o motor da concorrencia em ferro fundido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! Foi o que eu disse em 27/09/12 14:14. Ter um bloco de alumínio que precisa de ser tão reforçado para ter igual durabilidade a um bloco de ferro, pode não compensar tanto. E de fato, quando se vê o que é o Etios, o peso do motor é o menor de seus problemas ou qualidades. Há muita coisa, muita mesma, que precisa ser melhorada no Etios para ele conseguir ao menos disputar alguma coisa no mercado. Acho que não será com liga de alumínio, DOCH, 16v ou com o logotipo da Toyota que ele conseguirá sucesso. Tem que baixar o preço ainda mais.

      Excluir
  43. http://www.motorpasion.com.br/lancamentos-geral-2/novo-sandero-stepway-e-revelado-e-ghosn-confirma-novos-logan-e-sandero-no-brasil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Mr.car vai ficar contente.

      Excluir
  44. kkkkk to lendo aqui os comentarios e me divertindo, realmente se esse Etios tivesse um logototipo da "LADA" ia combinar mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que nada, a Lada atual tem modelos bem menos feios! Iria combinar se tivesse um logotipo XingLing, Proton, Tata, etc.. kkk...

      Excluir
  45. todo mundo aqui super-entendido de carros, vão capiná um terreno baldio

    ResponderExcluir
  46. Esse HB20 + motor c/ 128CV deve ser um foguetinho!

    Vai humilhar MUITO carro grande por ae...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Veloster vai ser o caso mais hilário...

      Excluir
    2. Cada vez que vejo um Lentoster penso: o cara tá se achando comigo olhando pra ele, mas na verdade estou é olhando mais um trouxa que caiu no conto da carochinha...

      Excluir
    3. Anônimo 28/09/12 11:00 e demais participantes dos comentários
      Não vejo nenhum problema no Veloster. É um cupê de visual esportivo e ousado que tem um motor 1,6-litro de 128 cv, e daí? Lesma é que não é, concordam? Esqueceram-se de um carro de sucesso, desejado, belo, um clássico hoje, que tinha motor de 1.192 cm³ e 30 cv? E que no último estágio chegou a 1.584 cm³/50 cv? Já mataram a charada? Karmann-Ghia! E outro, de motor 845- cm³/42 cv, objeto de desejo de todo jovem em 1962, o Willys Interlagos berlineta!

      Excluir
  47. O HB20 logo perde boa parte desses mimos ou "qualidades", vão contando aí...

    Igual pegar um Astra do começo da década passada e um desses últimos fabricados aí. É igualzinho, mas percebe-se que os materiais pioraram e que "algo falta".

    Logo a Hyundai pega o jeitinho brasileiro de engrupir consumidores, fiquem tranquilos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre o Astra, tem razão. Mas sobre o HB20, se eles seguirem a filosofia das japonesas aqui presentes (e provavelmente vão), ele será renovado a cada 5 anos mais ou menos (renovação mesmo, não maquiagem), portanto é de se esperar que não será vítima da simplificação que vemos muito em carros que permanecem 10 anos ou mais no mesmo modelo.

      Excluir
  48. Na verdade quem fabrica esse tipo de carro não tá nem aí pra opinião de gente que gosta de carro.

    O HB20 é claramente o endividador de jovens ansiosos para ter algum carro, o Etios é aquele carro que o pai compra pro filho ir pra faculdade ou pra esposa ir até o supermercado.

    Quem gosta de carro mesmo nem olha esses carros aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo parcialmente. Mas como já disseram, a versão 1.6 pode ser bem interessante.

      Excluir
  49. Nossa! Quanta polêmica...Isto parece apenas uma estratégia de mercado. A Hyundai trabalha com modismos e mimos, e isto sem esquecer uma qualidade mínima de mecânica ( A cara do usuário consumista emergente! )É um nicho onde a ordem é vender o máximo num periodo mínimo de tempo.E o perfil do comprador de qualquer Hyundai é da posse da novidade! A Toyota ainda é, e por enquanto sempre será, conservadora!...O carro que ela produz, apesar de menor prazo de garantia será sempre mais confiável, longevo e de menor desvalorização até prova em contrário, o que será bem dificil já que a concorrência que ter um produto totalmente "novo" a cada 24 meses...

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...