Google+

13 de março de 2011

JAC J3

Fotos: Divulgação JAC Motors Brasil



Há um ano e meio o empresário Sérgio Habib, ex-presidente da Citroën do Brasil, decidiu importar algum modelo em altos volumes. Depois de pesquisar, escolheu a marca chinesa JAC, produzida pela Jianghuai Automobile Co. de Hafei, mais conhecida como JAC Motors, “por ser uma indústria moderna e altamente capacitada", disse na apresentação à imprensa nesta sexta-feira.

A JAC Motors não é das maiores fabricantes chinesas, é apenas oitava na classificação, com capacidade para 500 mil veículos por ano. Foi fundada em 1964, é estatal e só recentemente, em 2007, passou a fabricar automóveis. Até então, apenas caminhões. A capacidade de produção é 500 mil unidades por ano e a exportação ainda é pequena, 20 mil unidades em 2010.

Habib foi à China conhecer a fábrica e os produtos, ficou bem impressionado com a organização e robotização e decidiu partir para o negócio. Dono do Grupo SHC, uma vasta organização de concessionárias de várias marcas, Habib começou a montar uma vasta operação de importação.

Escolheu quatro modelos. O pequeno J2, o compacto J3, o médio J5 (R$ 54.900) e a van J6, de sete lugares (R$ 58.900).  As operações JAC Motors do Grupo SHC começam pelo hatchback de quatro portas J3 e pelo sedã J3 Turin, com previsão de junho para a van e setembro para o sedã médio. O compacto Turin custa R$ 2.000 mais que o hatchback. A meta é vender 35.000 carros por ano, dois terços hatchback. O J2 ainda não tem data para chegar.

Por falar em Turin, a JAC Motors tem um estúdio de estilo em Turim, Itália e encomendou o desenho dos seus veículos ao estúdio Pininfarina. Por isso carros têm estilo nitidamente europeu. A JAC Motors possui também um centro de pesquisa e desenvolvimento em Tóquio. O cuidado com a produção salta à vista, com uma qualidade de pintura indiscutível. São três cores sólidas: branco Ártico, vermelho Cereja e preto Classic. Metálicas, prata Imperial, cinza Mercúrio, vermelho Rubi e azul Pacífico, estas o único opcional do J3 e do J3 Turin. Bancos de couro são acessório disponível nas concessionárias.

Para a manutenção, Sérgio Habib garante que deu máxima atenção a ela. No próximo dia 18, naquilo que ele chama “Dia J”, serão inauguradas simultaneamente cinqüenta concessionárias exclusivas JAC Motors Brasil, todas com o mesmo visual. Até o fim do ano serão mais de oitenta concessionárias JAC Motors, cobrindo 60% do mercado.



O investimento para toda a operação foi elevado, R$ 380 milhões, dos quais R$ 210 milhões em concessionárias e pontos de venda e R$ 145 milhões em marketing. A primeira leva é de 14.500 veículos, que entraram pelo porto de Vitória, ES.

A garantia do JAC é a maior do Brasil, seis anos de para-choque a para-choque. As revisões são a cada 10.000 km/1 ano, mas a troca de óleo, lamentavelmente, é a cada 5.000/seis meses. Exagero, na opinião do AE, que Habib justifica como exigência da fábrica. E há a primeira revisão aos 2.500 km, uma inconveniência para o proprietário, embora seja gratuita.. Habib garante que o dono de um J3 só gastará um total de R$ 579 nas três primeiras revisões, ou seja, até 30.000 km. A verificar.

O JAC J3

O JAC J3 é um hatchback de quatro portas compacto. Mede 3.965 mm de comprimento com entre-eixos de 2.400 mm. Para comparação com um carro da categoria, o Gol mede 3.899 e 2.465 mm, respectivamente. Largura e altura do chinês, 1.650 e 1.465 mm; no rival VW, 1.656 e 1.464 mm, na ordem. O maior comprimento do J3 lhe dá vantagem de capacidade do porta-malas, 350 litros, contra 285 litros do VW, embora o estepe do J3 seja do tipo temporário, mais fino, 135/70R16. As quatro rodas de alumínio são montadas com  pneus 185/60R15H.

Desenho elegante tem o toque de Pininfarina
Os pneus são os chineses Champiro 128, para 210 km/h, pois o J3 atinge 186 km/h segundo a fábrica e pneus de classificação de velocidade “T” (190 km/h) ficariam muito próximos do limite. No Gol o pneu do estepe tem mesma medida dos demais. Em compensação, o espaço no banco traseiro é um pouco maior no Gol. O estepe do J3, como no VW, fica alojado dentro do seu poço no porta-malas, solução mais racional  e preferida pela maioria.

O projeto do J3 é bom. Motor de 1.332 cm³ (diâmetro e curso 75 x 75,4 mm), duplo comando acionado por corrente com variador de fase (VVT, variable valve timing) na admissão, quatro válvulas por cilindro, bloco e cabeçote de alumínio, taxa de compressão 10,5:1. O importador informa potência máxima de 108 cv a 6.000 rpm e torque máximo de 14,1 m·kgf a 4.500 rpm. Ainda, que motor foi desenvolvido em parceria com a AVL, da Áustria, empresa dedicada a consultoria no projeto e desenvolvimento de motores e assuntos relacionados constituída em 1951. A potência e o torque específicos são exuberantes  81 cv/L e 10,6 m·kgf/L

 
O brilhante motor 1,3-litro

Ao olhar o chinês por baixo vê-se o cárter de aço com protetor, embora  de plástico. Vê-se também as seções do escapamento divididas e unidas por flanges bem feitas, o que facilita as reparações. No Chevrolet Celta, por exemplo, após o coletor de escapamento o sistema é um conjunto único até o tubo de saída na traseira. Qualquer troca de componente de escapamento do Chevrolet, catalisador inclusive, exige uso de serra, algo inconcebível à luz da boa técnica automobilística.

O câmbio de cinco marchas é comandado por cabos e a manopla da alavanca tem formato de pera, escolha. acertada. O detalhe importante é as duas semi-árvores de tração serem de igual comprimento, raro no segmento. A proteção contra engate involuntário da ré, que fica no canal da quinta, é interno, sendo desnecessário vencer molas ou desbloquear travas na alavanca para engatá-la.

A suspensão dianteira McPherson, sem subchassi, possui barra estabilizadora desacoplada do braço transversal em “L”, ligada por bielas às colunas de suspensão. A suspensão traseira é McPherson também, com dois braços transversais e um longitudinal. Os amortecedores Hitachi Tokiko têm batente hidráulico, essencial nas nossas ruas e estradas para evitar o baque seco quando a suspensão distende após transpor uma lombada. O tanque de combustível de 48 litros, de plástico como todos nos carros feitos aqui, fica antes do eixo traseiro.

Rodas de alumínio de série


Os freios são a disco ventilado na dianteira e a tambor na traseira, com ABS Bosch de oitava geração. A direção por pinhão e cremalheira conta com assistência hidráulica inversamente proporcional à rotação do motor. O volante é um bom e elegante quatro-raios de 380 mm de diâmetro e aro de seção adequada.

Com essa “receita” toda, o J3 só poderia apresentar um rodar agradável, conhecido e previsível. As definições de constante de molas e carga dos amortecedores são corretas, conciliando muito bem conforto e estabilidade. O mesmo para os pneus escolhidos, cuja medida existe no Brasil, uma facilidade na  hora da reposição.

Não há informação do vão livre do solo, mas visualmente é grande. O importador afirmou não ter havido tropicalização nesse sentido, como normalmente ocorre aqui, dado que os carros chineses precisam de muito vão livre para rodar no seu país.

O comportamento em curva mostra subesterço bem leve, podendo-se atirar o carro nas curvas com disposição. Os freios fazem o que se espera dele até na modulação. O ABS  é quase imperceptível, denotando boa calibração.  Nada é mesmo desconhecido no J3 em termos de comportamento, o brasileiro se sente em casa nele. Encontra até um razoável apoio para o pé esquerdo.

O motor é muito bom, mas requer rotação para produzir potência palpável. Abaixo de 3.500 rpm deixa um pouco a desejar, resultado da elevada potência específica. Mas nada que seja crítico ou depreciativo, embora alterar os parâmetros para um pouco menos de potência visando maior elasticidade fosse uma boa providência da fábrica no futuro.

A potência máxima a 6.000 rpm chega rapidamente, mas o corte ocorre cedo demais, a 6.200 rpm, pouca margem num momento de apuro como numa ultrapassagem, quando se precisa exceder um pouco a rotação de pico de potência. O corte de rotação é do tipo limpo, sem os conhecidos solavancos, possível devido ao acelerador de comando eletroeletrônico que efetua o controle pelo fechamento da borboleta e não por corte de injeção.

A 120 km/h o motor está a 3.800 rpm que, se não é ideal, é aceitável. Há casos piores, como o Citroën Aircross, 4.000 rpm a essa velocidade com motor bem maior, de 1,6-litro. Embora de baixa cilindrada, o motor do J3 consegue movimentar bem os 1.060 kg do carro, com uma aceleração 0-100 km/h em 11, 7 segundos.

Os bancos são “ocidentais” no sentido de conforto e boa retenção lateral – são produzidos pela Johnson Controls, tradicional fornecedor das indústrias automobilística e aeronáutica – e o ambiente interno é bem cuidado.

Interior bem cuidado e bancos "ocidentais"

O aspecto dos revestimentos de painel e portas afasta qualquer idéia de carro barato e controles e instrumentos agradam. À frente do motorista o conta-giros 0-8.000 rpm e o velocímetro 0-200 km/h concêntricos permitem visualização perfeita, embora traços e números pudessem ser um pouco mais delgados e elegantes. A iluminação do quadro segue o padrão VW, azulado. A posição dos pedais para o punta-tacco é perfeita.

Conta-giros e velocímetro concêntricos, boa leitura

Uma boa surpresa foi o baixo ruído de vento em estrada com o vidro da porta do motorista baixado, sinal de boa aerodinâmica - não informada - e de carcaça do espelho bem projetada. A nota desagradável foi todos os carros de teste estarem com Insulfilm nos vidros laterais e traseiro, aplicado pela JAC Motors Brasil. Além de ser infração ao Código de Trânsito Brasileiro segundo norma do Contran no que tange os laterais dianteiros. Por isso o vidro da minha porta foi baixado, é intolerável dirigir sem visibilidade total.

Dotação exemplar de itens de série

O J3 pode ser considerado exemplo quando o assunto é itens de série. Não é todo dia que se vê um carro deste segmento e preço saído da fábrica com ar-condicionado, direção assistida, freios ABS, bolsa infláveis frontais, cintos dianteiros com pré-tensionador, controle elétrico dos vidros das quatro portas, espelho e travas, travamento/destravamento de portas a distância, alarme, travamento automático das portas ao atingir 15 km/h, ajuste de altura do volante, ajuste elétrico dos fachos dos faróis, faróis e luz traseira de neblina, repetidoras direcionais nos para-lamas, espelhos externos convexos, sensor de estacionamento traseiro, conta-giros e termômetro do líquido de arrefecimento, encosto do banco traseiro bipartido 1/3-2/3, rádio/toca-CD com seis alto-falantes e entrada USB, antena impressa e faixa degradê no pára-brisa, temporizador do limpador de para-brisa regulável, limpador e desembaçador traseiro, luzes de segurança vermelhas nas portas, para-sol direito com espelho, cinzeiro e acendedor de cigarros, iluminação do porta-malas, porta-revistas nos encostos dos bancos dianteiros, revestimento dos bancos em veludo, apoios de cabeça dianteiros com ajuste de altura, abertura interna do porta-malas e portinhola do tanque. Parece que tudo foi pensado, inclusive o material fonoabsorvente do capô. É mesmo inusitado tudo isso por R$ 37.900.

Sensor de distância traseiro de série

Os controles de vidros, espelhos e desativação dos elevadores de vidros traseiros ficam na porta do motorista. As críticas ficam para a abertura das portas por dentro quando trancadas, que exige levantar o pino em vez de simplesmente puxar a maçaneta interna ou acionar interruptor; a alavanca do limpador de para-brisa não ter função uma-varrida;.e a falta de ajuste da ancoragem dos cintos na coluna. Exceto esse último, os outros dois são fáceis de corrigir.

Comprar um carro chinês é tão risco quanto foi comprar carro japonês nos anos 1980 e sul-coreano nos anos 1990. Os riscos provaram ser infundados. No caso do JAC J3 valerá a pena também. Não tem erro.

O sedã J3 Turin
BS


FICHA TÉCNICA JAC J3
Modelo
J3
J3 Turin
Motor
Quatro cilindros em linha
Disposição
Transversal
N° de comandos de válvulas  e posição
Dois, no cabeçote, VVT para admissão
N° de valvulas por cilindro
4
Diâmetro dos cilindros (mm)
75
Curso dos pistões (mm)
75,4
Cilindrada (cm³)
1.332
Taxa de compressão
10,5:1
Potência máxima (cv/rpm)
108/6.000
Torque máximo (mkgf/rpm)
14,1/4.500
Transmissão
Câmbio manual de 5 marchas; tração dianteira
Suspensão dianteira
Independente, braço transversal, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Suspensão traseira
 Independente, McPherson, dois braços transversais, um braço longitudinal, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
Freios
Dianteiros a disco ventilado e traseiros a tambor; ABS
Direção
Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica variável com a rotação do motor
Rodas e pneus


Rodas
Alumínio, 5,5J x 15 pol
Pneus
185/60R15H
Dimensões, peso, capacidades


Comprimento x largura x altura (mm)
3.965 x 1.650 x 1.465
Distância entre eixos
2.400
Peso em ordem de marcha (kg)
1.060
1.100
Capacidade do porta-malas (l)
350
490
Tanque de combustível (l)
48
Desempenho


Aceleração 0-100 km/h (s)
11,7
11,9
Velocidade máxima
186 km/h
Garantia e manutenção


Garantia total, sem limite de quilometragem (anos)
6
Primeira revisão/demais (km/tempo)
2.500/6 meses/10.000/1 ano
Troca de óleo (km/tempo)
5.000/6 meses
 

137 comentários:

  1. Bob,

    era o que faltava, alguém disposto a entrar de sola. Claro que há a desconfiança inicial quanto a qualidade e a facilidade de manutenção, mas uma vez vencido o preconceito, tem tudo para vender muito. Mas deviam amansar o motor, pelo jeito vai ter gente dizendo que o carro não anda, e isso não ajuda em um lançamento.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo Augusto13/03/11 10:41

    Como bem disse o senhor, à luz da boa técnica automobilistica, todos motores hoje deveriam ser assim, comando acionado por corrente e válvulas com compensação de folga hidráulica. Não por questão de custo de manutenção, mas por simplicidade e menos risco de serviço porco que põe tudo a perder.

    Desde o ano passado eu havia conhecido este carro, e vi que dá de lavada em muito "compacto premium" do nosso defasado mercado.

    Só estranhei esse volante, grande para os padrões atuais, assim como desproporcial ao painel e quadro de instrumentos.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do carro e principalmente do preço.
    O preço, por sinal, mostra a nós como os carros "tradicionais" do nosso mercado são caros. Com 38.000 reais, compra-se um Fox somente com direção hidráulica e ar comdicionado. Ah, motor de 1 litro.

    ResponderExcluir
  4. Assistirei atento se esse carro, tão completo e bem contruído (não exatamente bonito, longe disso) será vencedor do preconceito e da imaturidade no nosso mercado. Merecedor disso ele é, mas por ser uma marca nova, não tradicional, certamente sofrerá um pouco até ganhar fama. O motor, todo em alumínio e bem potente para a cilindrada é coisa de auto-entusiasta mesmo. Não é coerente o corte de giros em 6.200 rotações, já que girando assim o tacômetro já está na faixa vermelha (?), além disso, quando estiver girando tão alto assim, ao engatar próxima marcha o motor já não entrará com um regime de ao menos torque máximo? Então por qual motivo permitir que o motor chegue até 7000 rotações ou mais?

    ps: Bob, te mandei um e-mail sobre este assunto de regime de giros, e creio que neste post a minha pergunta estaria respondida. Não é teimosia, mas eu estou completamente equivocado?

    Renan Veronezzi

    ResponderExcluir
  5. É isso aí, Bob! Por que não experimentar? Até o Fusca já foi um risco ou por acaso alguém acha que foi fácil vender os primeiros?

    ResponderExcluir
  6. Alexandre Cruvinel, já tem gente dizendo isso, encontrei esse tipo de comentário em outros blogs e revistas. Inclusive comparando seu desempenho com o de carros 1,0.

    ResponderExcluir
  7. Bob, você foi o único avaliador que encontrei elogiando o volante!
    Até agora, todo mundo estava reclamando do diâmetro grande e da seção fina.
    Se como os japoneses nos anos 80 e os coreanos nos anos 90, os chineses são um risco, pelo menos nos dias de hoje temos a vantagem da internet para colher informações para nos ajudar na escolha.

    ResponderExcluir
  8. Bob, pegou autógrafo com o Faustão?

    ResponderExcluir
  9. A Ford pede R$ 41.000,00 pelo Fiesta com os mesmo opcionais. Uma diferença de R$ 3.000,00 por um carro que me parece indiscutivelmente melhor, de uma marca de muita tradição e com uma rede de concessionárias muito maior. Eu não teria dúvida em escolher o Ford. MRM21.

    ResponderExcluir
  10. Opa, não vamos esquecer o pessoal que comprou hyundai, kia e asia motors no começo dos anos 90, e depois essas fábricas sumiram do mercado deixando os donos com um bocado de dor de cabeça.

    Acho difícil isso acontecer de novo, mas sou precavido, não gosto de nenhuma "novidade", prefiro deixar elas provarem seu valor. Se quando uma marca com tradição no mercado brasileiro lança um carro, eles não escapam de alguns probleminhas, o que dizer de uma marca que está entrando no mercado agora?

    Espero que essa JAC mostre que minhas preocupações são infundadas e que, se possível, eleve o nível no que tange a respeito ao cliente e atendimento das concessionárias.

    ResponderExcluir
  11. Se o Sr. Habib conseguir o milagre de um pós venda com nota 6, já estará anos-luz à frente das fábricas nacionais, onde a nota do pós-venda é de 2,5 ou 3. Interessante ver um câmbio em que a última marcha permite 120km/h abaixo da rotação de torque máximo, mas ainda assim eu gostaria de ver o gráfico dessa curva de torque. Apenas lamento ter se "tropicalizado" também na cor do estofamento, pois para um povo não muito chegado na higiene automotiva realmente o estofamento claro é inconcebível.
    Como prefiro sedãs, antes de emitir uma opinião mais contundente prefiro aguardar uma avaliação do sedã (e de seu porta-malas).

    ResponderExcluir
  12. Caio Cavalcante13/03/11 13:28

    O ponto crítico em se tratando de chineses é a regularidade na produção e respeito às especificações acertadas em contrato, seja para canetas, componentes eletrônicos ou carros. Quem trabalha com qualquer produto chinês sabe disso.
    Boa garantia seria um controle de qualidade externo e reconhecido. Será isso possível na China?
    No mais, sua proposta de "entrar para quebrar" no mercado é muito bem vinda, competição só traz benefícios para o consumidor.

    ResponderExcluir
  13. Nada como uma avaliação de quem realmente entende de carro. Nos outros blogs e sites pouco se aproveita, cheios de informações desencontradas e superficiais.
    Sei que o elogio é redundante e desnecessário, mas mesmo assim Parabéns Bob!!!

    Quanto ao carro, parece ter qualidade acima dos outros chineses já presentes aqui e muitos dos nacionais de entrada. Apesar que só ao vivo mesmo para tirar a prova.

    Um pouco preocupante é o monopólio de uma única rede de assistência no pós venda.

    Quem é cliente Citroen nas principais praças, dominadas pelo grupo SHC, sabe disso. Nunca tive problemas com falta de peças, mas na maioria das vezes para conseguir uma simples cotação é um suplício e um tremendo desperdício de tempo. O sistema sempre está lento ou "com pau".
    Por isso prefiro comprar peças na irmã Peugeot sempre que possível, preços melhores e atendentes melhor preparados.

    ResponderExcluir
  14. Ainda acho que não é hora de secomprar carro chinês.

    ResponderExcluir
  15. Boa a ideia dos seis anos de garantia. Irão fidelizar especialmente os clientes mais idosos, que costumam gostar desse recurso.
    Sobre os intervalos de revisão com a existência de uma aos 2.500 km, fica-me a impressão de que estão fazendo isso com o intuito de apagar ao máximo qualquer impressão psicológica que houver contra a origem do produto. Claro que com 2.500 km dificilmente algum carro apresentará problema, mas fica aquela impressão de preocupação constante não do proprietário, mas da rede para com o produto. Talvez, quando muito, pudessem deixar o intervalo de troca de óleo nos 10 mil km regulamentares, pois não me parece que uma empresa da seriedade da AVL (responsável também pelo projeto dos motores Acteco da Chery) fosse fazer uma unidade que tivesse alta voracidade por lubrificante.

    ResponderExcluir
  16. Bob,
    É impressão minha ou a suspensão foi bem elevada durante a "tropicalização"?

    A distância entre pneus e arco de roda é bem estranha e deprecia bem a estética geral do modelo.

    ResponderExcluir
  17. BOB, SOBRE O CORTE DE ROTAÇÃO:
    ALGUM TEMPO ATRAS LI NA QUATRO RODAS, ACHO QUE ERA UMA MATERIA DO TESTE DE LONGA DURAÇÃO DE UM CELTA, QUE DURANTE O TESTE DE ACELERAÇÃO DO CARRO O PILOTO ENGATOU A TERCEIRA NO LUGAR DA QUINTA MARCHA, O QUE ELEVOU A ROTAÇÃO MAS NÃO HOUVE DANO POIS O SISTEMA DE CORTE FOI ACIONADO.
    ESTA CERTO? ACHO QUE NÃO POIS O SISTEMA SÓ IMPEDE O MOTOR DE SER ACELERADO, NÃO TEM SERVENTIA NESSE CASO, ONDE A ROTAÇÃO FOI IMPOSTA PELO VELOCIADE.
    ACHO INTERESSANTE O SISTEMA DE CORTE LIMPO ESPLANADO NO TEXTO. REALMENTE MUITO MELHOR, SENTI ISSO DURANTE UM ULTRAPASSAGEM ONDE QUASE NEM PERCEBI QUE ESTAVA CORTANDO O MOTOR DO MEU VECTRA 2009.
    ABRAÇOS,
    RAFAEL

    ResponderExcluir
  18. Interessante o carro. Só o achei um pouco alto. Se fosse uns 5 cm mais baixo, visualmente ficaria bem melhor. Pelo menos o JAC foi honesta e não `rebaixou` os carros dos materiais de divulgação, como as nacionais fazem.
    Mas se muita gente aqui tem infundado preconceito contra os coreanos, imagino em relação aos chineses. Bom mesmo são os nacionais, baratos e de qualidade! Estão certos, o legal mesmo é pagar 40 por um ridiculo Agile, ou 90, por um sem alma Corolla Altis.

    Bem, mas voltando aos chineses, alguem sabe alguma coisa sobre os Lifans? tenho visto alguns nas ruas.

    Abraço

    Lucas crf

    ResponderExcluir
  19. Rafael
    Você está certo. O corte só ocorre sob aceleração, jamais quando o excesso de rotação é provocado pelo movimento do veículo caso seja engatada uma marcha errada.

    ResponderExcluir
  20. Uber
    Um carro de caráter nitidamente esportivo como o Audi A3 Sport como o avaliado recentemente tem volante de 370 mm. O diâmetro de 380 mm é perfeitamente adequado a um veículo do porte e propósito do JAC J3. E a seção do aro do volante não tem nada de fina. Onde será que esse pessoal está com a cabeça?

    ResponderExcluir
  21. Na minha opinião, a avaliação do Bob foi de longe a melhor que eu já li até agora. Mudou bastante a impressão pouco positiva que até então eu possuía a respeito dos carros da JAC (em boa parte por puro preconceito mesmo, admito). Os carrinhos me surpreenderam pela qualidade e técnica apurada; teria um fácil, por esse preço não encontro aqui no Brasil outro 0-km tão bem equipado assim.

    ResponderExcluir
  22. Rômulo Rostand13/03/11 17:09

    Lucas,
    Não acho que seja preconceito o sentimento que as marcas coreanas despertam. Acho que é desconfiança mesmo, e com motivos. Marca nova, com rede de assistência não testada. E representada por uma empresa que apela para propaganda enganosa das brabas. Vide últimas notícias sobre a CAOA. Não tenho dúvidas de que as marcas coreanas atingiram um nível de qualidade aceitável, mas isso não é tudo. Como já disseram aqui, os primeiros carros coreanos desembarcados aqui na década de não deixaram nenhuma saudade.
    Quanto aos chineses... ????????????????

    ResponderExcluir
  23. Anônimo 13/2 12:11
    Realmente é um bom preço para o Fiesta, só que é o antigo.

    ResponderExcluir
  24. Fernando,
    Foi a coisa mais incrível. Quando ele entrou para dar a mensagem dele, não o reconheci, de tão magro. Parecia outra pessoa. Televisão sempre engorda um pouco.

    ResponderExcluir
  25. Rodrigo Ciosssani
    A altura de rodagem, segundo o importador, é a mesma do mercado chinês.

    ResponderExcluir
  26. Visito muitas concessionárias e me assuta a quantidade de carros parados com motor aberto, e com baixa quilometragem nesses chamados "novos players do mercado". Na Hyundai, é marcante como isso acontece.
    O Sergio Habib conhece o ramo, e com certeza não iria colocar em xeque a sua credibilidade e o seu rico dinheirinho. Louvo a sua atitude em testar e adaptar os JAC por mais de ano em nosso país, mas mesmo assim, neste instante, fico com o pé atrás com esses carros.
    Mas o que não consigo entender é como não termos uma marca de automóveis brasileira. Dos Bric, somos o único país que não possui uma fabricante nacional, brasileiros fazendo carros para brasileiros.
    Depois da quebra da Gurgel, só nos restou montar carros com projeto defasado, como os Mitsubishi pela Souza Ramos e agora com a CAOA, com a dupla Tucson/HR, mas com o "grosso" importado.
    Acho que só com uma fábrica brasileira teria o prazer de guiar um hatch pequeno com motor a etanol com taxa de compressão de 17:1, curso longo na suspensão, porta malas capaz de lavar a bagagem de uma família, e espaço calculado para o nosso novo biotipo.
    Sonhar não custa nada, né?

    ResponderExcluir
  27. Bruno Souza13/03/11 18:10

    Quase todos os carros hoje usam 37 cm de diâmetro, outros 36 cm como o Civic, mesmo sem serem esportivos. Acho que é isso que o pessoal da mídia está estranhando. Nas fotos não representa tão grande, já que aqui acredito que ninguém, tirando o colunista, viu o carro ao vivo, pois ele só estava até agora em uma concessionária da zona leste de São Paulo.

    Lá também pude ver os outros modelos, o sedã médio e a perua (na verdade um crossover de van com perua). Os motores realmente são um destaque, todos com o que há de atual, só falta injeção direta, mas aí seria um tapa na cara dos fabricantes instalados aqui, que não têm coragem de usarem os mesmos motores lá de fora.

    ResponderExcluir
  28. Marcelo Augusto13/03/11 18:35

    Bruno, era no AutoShopping Aricanduva. Fui lá no primeiro dia de abertura (acho que em novembro).

    A curiosidade matou o gato!

    ResponderExcluir
  29. Bob, como assim "televisão sempre engorda"? Televisão é rica em carboidratos? Explique-se melhor.

    ResponderExcluir
  30. Tem quem ache a suspensão do carro alta. Pra mim, não parece vendo apenas as fotos. Será por causa do diâmetro dos pneus que não deixam sobrar caixa de roda como acontece com Ka e Agile? Não tem jeito, algumas dúvidas só morrerão entrando no carro. Ainda bem que vão abrir uma unidade perto de casa.

    ResponderExcluir
  31. Já fico com o pé atrás com a enganação de empurrarem um motor 1.3 como sendo 1.4, imagine o resto.

    ResponderExcluir
  32. Não entendeu a ironia...
    Hoje em dia é impossível acreditar em avaliações de produtos, não importando quem a faça. Tudo está contaminado pelo interesse financeiro. E o outro acha tudo tão normal que não entende a ironia e ainda responde com a maior inocência...
    Brincalhão.
    Compra um chinezinho desses pra você, filhão...
    Eu passo.

    ResponderExcluir
  33. Para quem quiser ver o vídeo de apresentação da JAC:

    http://www.noticiasautomotivas.com.br/video-apresentacao-da-jac-motors-com-sergio-habib-e-faustao-video-de-2-horas/

    ResponderExcluir
  34. Como você é idiota, Fernando de 13/03/11 19:52.
    O cara te deu atenção lhe dando uma resposta educada e você vem fazer troça disso!

    ResponderExcluir
  35. surpreendente avaliação Bob.
    a desconfiança é algo a se vencer, mas o melhor de tudo é saber que as grandes montadoras terão que se mexer para segurar a chinesada que vem aí, e consequentemente, terão que adequar suas tabelas...
    vamos aguardar.

    ResponderExcluir
  36. Quero um carro pequeno! Deveriam lançar logo o Jac2...
    Já teve algum post aqui sobre o CHery QQ? Passei uns dias foras e não achei nada a respeito...

    ResponderExcluir
  37. Também gostei mais do J2, mas parece que esse só vem ano que vem. O bom é que poderá vir com mais acertos que seus irmãos mais velhos. E como será que ficaria uma versão dele com esse motor do J3, hein?

    ResponderExcluir
  38. Esta ai um tipo de carro que eu JAMAIS gostaria de ter.

    ResponderExcluir
  39. Vou chover no molhado, mas excelente avaliação, como aliás é usual. Quando não concordo pelo menos reflito sobre uma opinião tão sensata e séria, como no caso do Agile.
    Quanto ao JAC J3, o Habib está apostando pesado, justamente para mostrar que está levando a sério, e tentando vencer a desconfiança.
    Já essa coisa de trocar de óleo com 5.000km, porém, é ridícula! Para quem roda muito, verdadeira furada. Nem tanto pelo $$$ mas mais pela chateação de ter que ficar perdendo tempo indo até concessionarária.
    De qualquer forma, o preço está muito bom, o carro não é feio e pelo jeito também não é ruim. A rede de AT parece estar sendo bem treinada, está tudo muito bonito, vamos ver como é na realidade!

    ResponderExcluir
  40. Bob,

    Obrigado por nos oferecer sua avaliação. Realmente precisamos de carros bem construidos e com melhor preço, porque o que pagamos aqui é realmente ridiculo.
    Seria logo algo a se considerar como opção, tendo em vista o que é oferecido pelo preço pedido. Tomara que b=venda bem, tomara que as pessoas enxerguem com bons olhos e que ele vença e cumpra o que promete. Para ver se paramos de pagar quase 40 mil por carros pelados, mal acabados e mediocres. Compraria sem problemas se fosse comprar um carro novo.

    ResponderExcluir
  41. Anônimo 13/2 18:57
    É o seguinte: a câmera de TV emite ondas de alta frequência que, em contato com ar, provoca uma sublimação, transforma as ondas de alta frequência em carboidratos beta, de alto poder de engorda. Foi por isso que não reconheci o Fausto Silva. Na tevê ela aparece mais gordo.

    ResponderExcluir
  42. Alexandre Garcia
    Eu também compraria.

    ResponderExcluir
  43. Quanto à questão das trocas de óleo aos 5.000 km/6 meses, eu normalmente sempre faço isso nos meus carros, então não mudaria nada.

    ResponderExcluir
  44. Anônimo 13/3 19:50
    Não é enganação no sentido estrito, mesmo porque a cilindrada exata é informada. Tivemos isso com o Ferrari 612 Scaglietti, 6 litros e 12 cilindros, mas a cilindrada exata é 5.748 cm³, em que a regra de arredondamento indica 5,75 litros. E aqui mesmo no Brasil há o motor 1,8 E.torQ dos Fiat, de 1.747 cm³, ou 1,75 litro. Puro marketing.

    ResponderExcluir
  45. Bob, o senhor sabe alguma novidade sobre os carros da Faw-Haima no Brasil? Tinha um modelo com cara de Mazda que achei muito bonito no salão

    ResponderExcluir
  46. Bob, e o clássico exemplo das AMG 63 que na verdade são 6.2, ninguem reclama né...

    Sobre a JAC, fale mais sobre essa garantia de 6 anos, fiquei curioso.

    ResponderExcluir
  47. Por isso que os carros chineses são sucesso de venda na Europa e nos EUA. Mercedes, BMW, Audi? Que nada, JAC!

    Onde saiu essa matéria mesmo?

    ResponderExcluir
  48. Se esses chineses não venderem bem, que pelo menos eles sirvam para que o brasileiro médio comece a perceber o quanto ele paga caro, e bota caro nisso, pelos carros que são vendidos aqui...

    ResponderExcluir
  49. Grande análise, como sempre são as do Bob.

    Fico me perguntando como será a aceitação ao nome JAC. "Enfiei o pé no JAC" agora pode ter o sentido de "acelerei meu J3 até o corte de rotação" e não mais o sentido habitual...

    Depois de Besta, Picasso, Chana e outros, nada mais me surpreende.

    ResponderExcluir
  50. O carro promete.

    Basta cuidarem bem do pós venda e do defeitos que aparecem com a venda dos primeiros usuários.

    Se JAC fizer o dever de casa, com um bom atendimento e preços justos no pós venda, vai vender que nem água daqui a 3 anos.

    ResponderExcluir
  51. Francisco V.G.14/03/11 10:07

    Bob
    Essa, de escapamento em peça única, vem de longe. Em 97 tive de trocar o silencioso traseiro em garantia - o miolo soltou - de um Gol 1,8L Mi de mesmo ano e não acreditei quando o sujeito veio com a famosa serrinha amarela e seu arco para retirar o silencioso estragado - a partir do catalisador era peça única compreendendo os silenciosos intermediário e traseiro. A VW até fabrica uma luva para esse fim, oficializando a gambiarra. Motor com 200 rpm de folga entre pico de potência e corte não é novidade por aqui, vide o 1,4L Econoflex.
    E, por fim, JAC, eu passo. Fico com a opinião de Roberto Nasser à respeito disso.
    Boa notícia: Os fabricantes daqui vão ter de se coçar e melhorar seus produtos, notadamente a oferta de equipamentos e preços.

    ResponderExcluir
  52. Marcelo Augusto14/03/11 11:18

    Um lado interesante é que pelo visto na China os carros casam bem com nosso solo, já que não foi necessário "tropicalização".

    O problema desses carros é se der um defeito. Tem gente esperando 90 dias por um vidro do motorista num Cielo, foi improvisado um vidro genérico provisório...

    ResponderExcluir
  53. Eurico Jr.14/03/11 11:19

    A JAC, em parceria com fornecedores, está desenvolvendo um câmbio automático de dupla embreagem. Se vier neste modelo futuramente, considerarei seriamente a compra.

    ResponderExcluir
  54. Mais uma avaliação muito interessante do Bob, me parece um dos chineses mais interessantes.
    Só acho no minimo curioso que, enquanto vamos lendo a avaliação parece que acertaram em quase tudo, mas não entendo como podem deixar passar os pontos colocados no final... o carro é todo completo e não tem uma trava central para as portas? Voltamos aos anos 80 quando puxávamos o pino da porta do motorista para abrir as outras? E o cinto sem ajuste de altura? E o limpador tem ajuste de velocidade e não tem função de uma varrida? Sério, não entendo como um carro que parecem ter pensado em todos os detalhes para agradar ao consumidor mas esquecem detalhes bobos como esses...

    Agora me chamou a suspensão mcpherson na traseira, será que vai aguentar o tranco? Ou será como a do Escort que no final trocaram por um eixo de torção, ou até a Fiat que fez essa troca do uno para o palio/novo uno.

    ResponderExcluir
  55. Fla3D
    Fora o ajuste de altura do cinto, que o Fiat Cinquecento e o Nissan Tiida incompreensívelmente também não têm, o resto é fácil de resolver. A suspensão traseira aguenta sem problema. O fato de ser independente não significa ser pouco resistente.

    ResponderExcluir
  56. Eurico Jr
    Boa notícia, eu não sabia disso.

    ResponderExcluir
  57. Dudu
    Pelo jeito faz parte da estratégia de marketing do J3. Garantia total de seis anos, mas, como a garantia de todas as marcas no mundo, o carro deve ser mantido segundo o plano de manutenão para que a garantia permaneça válida. Essas garantias longas têm a vantagem de o carro passar de mão ainda em garantia, que é sempre do carro, não do proprietário. Isso naturalmente eleva o valor de revenda, além de representar uma segurança para o dono do carro. A Hyundai adotou essa estratégia (porém cinco anos) e deu certo.

    ResponderExcluir
  58. Anônimo 13/3 23:35
    Não sei nada a respeito desse carro, lamento.

    ResponderExcluir
  59. Anônimo 13/3 22:45
    A menos que o fabricante imponha e a garantia esteja condicionada a isso, ou se seu carro rodw pouco diariamente, trocar óleo com essa quilometragem ou tempo decorrido é um exagero que não traz nenhum benefício para o motor.

    ResponderExcluir
  60. Rafael Bruno14/03/11 13:02

    Eu aposto nessa marca. Espero que se dê bem no Brasil para provar às grandes que carro seguro e com motor interessante, não precisa ser caro.

    Inclusive já mandei meu curriculum para eles....
    Quem sabe? rs

    ResponderExcluir
  61. Como se joga fora lubrificante bom neste país. Pessoal é tão burrinho que não entende que o que degrada o óleo é combustível adulterado, era isso que gerava a tal da "borra" que os mechanicos tanto falavam. Mesmo em uso "severo", trocar óleo antes de 1 ano ou 10 mil km é jogar produto ainda bom fora. Mas quem abastece em qualquer pocilga é bom trocar a cada 5 voltas no quarteirão...

    ResponderExcluir
  62. O que eu mais vejo no Brasil é justamente o contrário, gente que só troca o óleo do carro quando o lubrificante já quase virou graxa. Trocas regulares só durante o período da garantia mesmo, depois o óleo passa a fazer aniversário dentro do motor. O mesmo vale para o restante da manutenção, como por exemplo pastilhas de freio. Canso de ver discos arranhados porque o dono do carro quis usar as pastilhas até seus últimos yoctômetros de espessura. No Brasil, manutenção rigorosa ou exagerada é a exceção e não a regra.

    ResponderExcluir
  63. Que maravilha! Mais um player no mercado e parece que vem para trabalhar com seriedade.

    Daqui a "pouco" consigo me convencer a trocar o carro... Bem lembrado Bruno Souza, motor com injeção direta é o que falta para que eu "bata o martelo"! Quanto tempo ainda devo esperar, alguém se arrisca? Modelos 2013, serááá?
    Sem variação de fase? De jeito nenhum! A Ford que entube este Sigma! Boa JAC, tapa com luva de pelica!

    Agora 38k não é o preço de um C3 Sonora?

    Bob, alguma informação sobre crash tests???
    Tema muito abordado, quando se fala em carros chineses.

    Abs

    ResponderExcluir
  64. Bianchini
    "Interessante ver um câmbio em que a última marcha permite 120km/h abaixo da rotação de torque máximo, mas ainda assim eu gostaria de ver o gráfico dessa curva de torque."
    Isso aí que você fala já tem por aqui, veja só: Motor VHCE->torque máximo @5200rpm; 120 km/h em quinta marcha entre 4400 e 4500rpm. Pois é... não deixa de ser o que voce diz.

    ResponderExcluir
  65. Não vejo motivo pra pagar quase 40 mil nesse carro.

    É o preço de um fiesta 1.6 completo, inclusive com abs.

    Carro chinês tinha que custar menos, não temos garantias da qualidade do produto e nem mercadológica.

    Infelizmente o mercado brasileiro de carros é uma piada, até os chineses querem cobrar caro agora.

    ResponderExcluir
  66. Um Fox 1.6, com ar, direção e vidros elétricos bate nos 39 mil reais com desconto de produtor rural.

    Nesse caso, fico com o comportamento mais alerta do Volks, além do painel e acabamento que foram bastante melhorados (além da robustez é claro).

    Mas uns dois anos, os chinas batem de vez o nossos melhores nacionais, mas não ainda.

    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  67. Francisco V.G.14/03/11 17:36

    MFF
    Eu espero que essa sua previsão jamais se concretize, do contrário, seria o reconhecimento, por parte dos fabricantes daqui, da morosidade e incompetência em fabricar carros realmente competitivos. Em suma, seria a falência dos mesmos.

    ResponderExcluir
  68. Sim Francisco...mas para nós consumidores, isso seriam ruim?

    Não já está mais do que na hora das fábricas nacionais - gm em particular - em agregar melhorias nos carros?

    A volks mesmo, em sua doentia dependência do correto 1600cm3 VHT; quando irá lançar um motor maior e mais evoluído a exemplo da fiat? Dá pra engolir tonelada e meia de jurássico golf - ainda que um carro muito bom de guiar - a mais de sessenta mil reais, propelido por um bloco tão longe da realidade tarifária?

    é de se pensar, e muito...

    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  69. Povo brasileiro tá acostumado a pagar caro. Logo o Sr. Habib percebe isso e aumenta os preços dos seus bólidos, assim como a Hyundai tem feito e as japonesas já fizeram a uma década - vide Honda City custando fortuna com motorzinho 1.5 e acabamento interno de carro popular.

    Logo que a JAC e outras chinesas entrarem no mercado pra valer, vão perceber que o povo é tão burro que não compra pq tá barato, mas se aumentar um pouco o preço logo conseguem vender bem.

    ResponderExcluir
  70. Rafael Bruno14/03/11 18:52

    Realmente Fit tem acabamento bem pobre pelo valor...

    Mas, anonimo, me diga onde tem Fiesta 1.6 com ABS e A.B. por 40 contos. Nunca achei!

    ResponderExcluir
  71. Anônimo 14/03/11 16:51
    Eu me lembrei da curva de torque dos XR-3 CHT, que tinha uma subida até uns 2.500 giros, depois caía, voltava a subir e atingia o máximo perto das 4 mil rotações. Ainda acho que o problema dos carros equipados com o VHCE é falta de material fonoabsorvente. Outro dia andei de Corsa Maxx e o que me incomodou não foi o regime de rotações, mas o barulho. OK, colocar material fonoabsorvente é contra a política dos "catadores de migalhas" do departamento financeiro da GMB, mas melhoraria razoavelmente os carros. Mais um abafador no escapamento também ajudaria.

    ResponderExcluir
  72. Conhecendo os "entusiastas" que tem pânico de rotações, já estou vendo mais um obstáculo móvel na paisagem somado aos "carros mil". O ideal para nossos motoristas é carros diesel, acaba os giros com 4 mil rpm e olhe lá. Ou será que vão ficar rodando nestes se arrastando sem passar dos 1000 giros? Esse é o país de apaixonados por carros... Estamos ferrados!

    ResponderExcluir
  73. É a Livina que não tem regulagem de altura do cinto, mesmo com as mudanças para 2011 permanece igual. Deve dar uma economia danada deixar como está. Lembro que os primeiros Palios tinham regulagem por meio da troca do ponto de ancoragem, mais complicado, mas pelo menos tinha. O mesmo vale para regulagem de altura de faróis, antes no faról do que não ter. Mas o cinto é primordial, cinto no pescoço além de desconfortável pode ferir.

    ResponderExcluir
  74. Eu não tenho medo de investir meu dinheiro em marcas desconhecidas, já fiz isso com motos há uma década e fui bem feliz, tanto para usar quanto para vender depois de algum tempo.

    Mas, sempre há um porém, não consigo pagar 38k num carro que com certeza deveria ter um preço em torno de 33k, se não fosse a ganância do sr. Habib, afinal a variação cambial é bem alta entre o dinheiro brasileiro e chinês.

    Espero que esse preço caia depois do lançamento...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ACHO QUE UM DOS PROBLEMAS DO CARRO NACIONAL SER CARO É A ALTA TAXA DO IMPOSTOS TRABALHISTA QUE A INDUSTRIA TEM QUE PAGAR PARA MANTER UM EMPREGADO, FORA OUTRAS CARGAS TRIBUTARIAS E O ALTO FATURAMNETO DOS DONOS, COISAS QUE NA CHINA EM ESPECIAL DEVE SER BEM DIFERENTE

      Excluir
  75. Muitos aqui estiveram no salão de SP, inclusive eu. Saí de lá com a certeza de que ou a indústria nacional muda ou os chineses tomarão conta do mercado. Os carros não são feios, nem mal-acabados. Quanto a durabilidade, o tempo dirá. Um anonimo (sempre eles...) sarcasticamente comentou da ausencia dos chineses nos mercados europeu e americano. Sim, lá o preço que as fábricas (as mesmas daqui) cobram é justo, com as carros bem mais baratos. Aí realmente as coisas apertam para os recém chegados. Se um fiesta ou gol, ambos 1.6, por exemplo, com os mesmo equipamentos custassem uns 35, não haveria o menor espaço para o JAC.
    Enquanto a indústria automobilística nacional continuar com essa política de nos esfolar nos preços e nos oferecer produtos de quinta, não torcerei por ela.


    Abraço

    Lucas crf

    ResponderExcluir
  76. Lucas crf

    Como é bom ler opiniões bem fundamentadas e inteligentes.

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  77. Acho que o motivo de não ter carro chinês na Europa e EUA é a falta de qualidade e adequação aos rigorosos testes de colisão e emissão.

    ResponderExcluir
  78. Sobre essa história de cano de escape contínuo em Celta, surpreendi-me, ainda mais por lembrar que meu ex-Corsa B tinha o escape tripartido como deve ser.
    E, como já falaram por aqui, o lance da serrinha na parte podre para juntar com uma gambiarra de fábrica apenas e tão somente agregará estigma aos carros que porventura precisarem trocar o cano de escape, pois estamparão claramente que já tiveram serviço em uma parte na qual o Corsa B (salvo se puseram essa mesma solução absurda nele também por afinidade plataformística) jamais denunciaria o serviço.

    E, claro, o que significa um cano de escape outrora inteiriço que foi serrado para o motorista que desejar revender esse carro? Claro que serão menos reais no bolso se cair na mão de um comprador mais criterioso. Em um carro com cano tripartido, só mesmo se o vendedor fosse daqueles que guarda todo o histórico do carro, o que neste caso até ajudaria a vender melhor.

    ResponderExcluir
  79. Tomara que a JAC seja mais uma marca que venha para fazer diferença no pós-venda, tenho passado um nervoso absurdo com a VW, isso é de tirar a saúde! Brasileiro está acostumado a ser tratado como lixo e parece que a maioria adora isso!
    Olha! Pelo que falam, hoje enxergo que o preço cobrado pela Honda se justifica! Ainda tem gente que mete o pau... Ahhh pagar tanto para ter um carro com motorzim 1.5... Pode não ser carro de entusiasta, mas juro que farei uma visita na CC "japonesa" antes de fechar meu próximo negócio.

    ResponderExcluir
  80. Ops!
    Lê-se "vem", onde "venha".

    ResponderExcluir
  81. Opa, obrigado, Pisca!

    Romulo Rostand,

    eu acho que a Caoa mais atrapalha do que ajuda os Hyundais. Sinceramente, eu nem ligo para as propagandas deles. A internet está aí com informações a rodo e temos senso critico para acreditar no que é verdade ou não. Quanto aos primeiros coreanos, curiosamente sei de gente, inclusive aqui do blog, que foi surpreendida por um qualidade bem acima do esperado.

    Fábio, eu acho que a Honda não oferece bons custos benefício. Aquele City...putz! Veja bem, não falei que os carros são ruins, muito pelo contrário, mas custam muito caro pelo que oferecem. Mas se voce acha justo o que cobram, vá em frente.

    Anonimo das 01:24,

    Tá, muito bem, os chineses podem não oferecer (ainda)padrão de qualidade e segurança suficientes para os padrões europeus e americano. E os nossos, oferecem? De que adianta comparar os chineses com os bons americanos e europeus se esses mal são oferecidos aqui e , quando o são, os preços são exorbitantes. Temos que comparar com o que damos conta de comprar! Pelo menos no meu caso, ainda não tenho grana para comprar um bom europeu ou americano.

    Ainda há o problema de que mesmo um carro feito para o mercado interno é pior do que o que é para exportação. Ou seja, não adianta andar num carro aqui por que o similar europeu é seguro...
    Veja a diferença num crash test de Fox feitos para o mercado nacional e os exportados.

    http://www.youtube.com/watch?v=4CzV9FKZvAM

    Abraço


    Lucas crf

    ResponderExcluir
  82. Lucas,

    Não é o carro propriamente dito, é o atendimento, o respeito!
    Um vizinho, que considero uma pessoa bem racional, após sua primeira experiência com um Fit, comprou um pra esposa e outro pro filho, isto é um exemplo recorrente.
    Não digo que comprarei um carro deste, pois não é um modelo que me agrada, mas irei à uma CC da Honda para analisar, decidir de forma mais ampla, sei lá talvez um Civic, eles não vão entrar no segmento hatch médio? Talvez eu espere!
    Na minha última compra, no caso VW, tive problemas desde o momento de fechar o negócio, hoje arrependo-me tanto de não ter desistido!!! Cansei do descaso, de ser maltratado, passar nervoso... Talvez valha pagar um pouco mais.

    ResponderExcluir
  83. Fábio, não conheço a relação que a Honda tem com seus consumidores de automóveis. Mas em relação às motos, não tive do que me queixar em relação às concessionárias. São profissionais.

    Mas, numa boa... TRES Fit em casa?!? Me lembrei de um quadro antigo do Jo Soares, no Viva o Gordo, em que o sujeito se castiga, castiga, e grita: EU ME ODEIO!!!!!!!

    Abraço

    Lucas crf

    ResponderExcluir
  84. kkkkkk... Boa lembrança!

    Concordo, três carros iguais é dose! Foi só pra ilustrar a satisfação do sujeito.
    Ontem, vi uma garagem perto de casa com dois Voyages, um cinza e um prata, não contive o riso.

    Em casa temos três carros, com a próxima troca a garagem ficará com três marcas diferentes. Pra que priorizar uma, não é? São todos uns exploradores mesmo!

    ResponderExcluir
  85. Anônimo 14/3 21:59
    Isso mesmo, é o Livina e não o Tiida que não ajuste de altura do cinto. Vou corrigir no texto. Obrigado.

    ResponderExcluir
  86. Fabio
    Na apresentação do J3 o Sergio Habib contou que no Brasil só 10% dos consumidores é fiel à marca, contra quase 50% na Inglaterra. Curioso, não? A informação de crash-tests do J3 é que foram feitos por entidade chinesa, só.

    ResponderExcluir
  87. Lucas
    Há outra componente de não se vender carro chinês na Europa. Fica cada vez mais caro e complicado abrir concessionárias lá, especialmente em tempos bicudos, de recessão.

    ResponderExcluir
  88. Bob,
    Penso que é fácil de entender este percentual baixo de fidelização no Brasil, como em outros setores (ex: operadoras de celular), o consumidor é muito desrespeitado. Bom! O brasileiro "não se dá ao respeito" (novamente a questão da educação), troca de empresa sem pensar ao perceber "a mínima vantagem", isto é nítido no caso do celular, percebe-se várias gafes destas empresas na identificação do que agrega valor ou não ao produto/serviço.
    Quanto à escolha do carro, no meu caso o que deveria ser prazeroso se torna um tormento, pois a minha percepção é que estou escolhendo a empresa que irá me explorar menos. Péssimo, não? Estou aproveitando esta "fase 100% indignação" para poupar um pouco e futuramente escolher com mais vontade.
    É! Já falei demais...
    Abs

    ResponderExcluir
  89. Bob, talvez para os chineses ganharem os europeus seja necessário baixar muito mesmo o preço. Aí a operação se torna pouco vantajosa. E no resto do oriente, fora o Japão, será que vendem bem? Leste europeu, talvez?
    Abraço

    Lucas crf

    ResponderExcluir
  90. Achei estranho o "lamentavel" sobre a troca de oleo a cada 5.000Km. Isso pra mim é completamente normal para ter uma motor sem nenhuma contaminação e por final a boa e velha borra.. Brasileiro quer trocar o oleo 1x p/ ano ( se possivel nenhuma vez ), usar oleo de 5 reais o litro ( se possivel de cozinha pq custa menos) ai o motor vai pro vinagre.. e o carro nao presta..

    ResponderExcluir
  91. Bob, não sei se uso o espaço ou te mando um e-mail. Gostaria de te contar o nervoso que passei com um fabricante (daquela marca que somos fãs) estes últimos dias. Para você ter uma idéia, depois de muita briga o reparo foi autorizado em garantia e a justificativa para a negativa inicial foi em razão de "eu" ter antecipado a primeira revisão. É MOLE?
    Abs

    ResponderExcluir
  92. Finalmente eu vou poder olhar para o meu vizinho que tem uma Mercedes e dizer: vc tem uma mercedes, hahaa... eu tenho um JAC!

    ResponderExcluir
  93. Alguém tem alguma notícia sobre a Chana Motors? Lembro que ela trouxe no Salão do Automóvel um simpático "kei-car" chamado Mini Benni... Mas até o momento o site deles menciona apenas os utilitários.


    Quanto ao Anônimo de 15/03/11 04:26 que diz que o escapamento remendado (como procedimento previsto na concessionária) "estigmatiza" e desvaloriza o carro, só pode ser piada né? Ainda mais se considerarmos que em alguns carros o escapamento dura menos que as pastilhas de freio.

    ResponderExcluir
  94. Bob, no texto você falou sobre as películas serem proibidas nos vidros laterais, mas o Contran não permite 75% na frente, 70% nos dianteiros laterais e 28% nos 3 vidros traseiros?

    ResponderExcluir
  95. Gente.. ABS e AIRBAG são ítens mais do que essenciais hoje em dia, achei bom mesmo essas montadoras chinesas entrarem com todos os modelos com essas configurações para ver se as brasileiras caem na realidade e param de vender porcarias de submundo para nós....

    ResponderExcluir
  96. Faltou uma foto da traseira do Hatch...que pena! Mas a matéria ficou show!

    Luiz

    ResponderExcluir
  97. Aqui um vídeo que o Eber do Notícias Automotivas fez sobre o J3 (imitando direto os vídeos do Kyle, que já faz isso há mais tempo):

    http://www.noticiasautomotivas.com.br/video-avaliacao-na-jac-j3-em-detalhes-hd-video-1080p/

    A título de curiosidade, aqui os vídeos originais do Kyle, com centenas de carros diferentes:

    http://www.youtube.com/saabkyle04

    ResponderExcluir
  98. Foi bom ter postado o video. Pelo video o J3 parece ser bem fuleiro... Ainda vai levar um tempo pros chineses mostrarem serviço.

    ResponderExcluir
  99. Certamente o Eber do Notícias Automotivas copiou na cara de pau o americano com os vídeos de demonstração dos carros.

    Todo o percurso, as falas, muito igual! Cara de pau!!!

    O anônimo das 23:49 mandou muito bem notando isso.

    ResponderExcluir
  100. Uma pergunta:
    Alguém aqui comprou este carro?

    ResponderExcluir
  101. Quem ai ta criticando a JAC deveria ler um pouco mais...

    OOOOOU, voces acham que o Sergio Habib iria jogar sua reputação fora, trazendo qualquer merdinha da china?

    JAC veio e veio muito forte... A "Number One" de um país será em breve, nada mais nada menos, que o maior produtor/fabricante automobilístico do mundo... E o que dizer de SHC? (vamos ao básico) = tem mais de 50 concessionárias entre elas VW, Ford, Citroen, Aston Martin, Jaguar e mais... Um dos maiores (Se não o MAIOR) na questão automobilística do Brasil... Será que ele iria trazer qualquer marquinha duvidosa, ou ruimzinha pra cá? Não sei nao hein...kkk

    JAC personalizou o acabamento dos carros (que confesso, era ruim no salão, mais que foi totalmente modificado) para o público brasileiro, tem design italiano (como diz o glorioso Faustao, kkk) e outras coisas que nao preciso dizer pois nao sou garoto propaganda da marca e sim um simples brasileiro que nao tem preconceito e que sabe se informar...

    Preconceito. É aonde eu queria chegar... Voces nem sabem do carro (eu sei, ja vi no salão do automóvel, e li muito antes de vim postar aqui) e já estao criticando, só por que a marca é chinesa...

    Querem um prova do que eu estou falando e elogiando a JAC? Leiem o comparativo da QUATRO RODAS: j3, fox, sandero, agile e fiesta... (LEMBREM-SE na quatro rodas tem todos os quesitos, inclusive ACABAMENTO, para alguns...)

    Vou facilitar as coisas e dar o resultado do comparativo SEGUNDO A QUATRO RODAS:

    1º sandero
    2º j3
    3º fox
    4º fiesta
    5º agile

    VEREDICTO: O j3 só nao ganhou este comprarativo pois ainda tem que mostrar para que veio... (ou algo nesse sentido, nao lembro certinho)...

    Voces que se acham entendidos de carros e tudo mais, PEITEM a QUATRORODAS e falem mal da JAC...

    As outras montadoras que se cuidem...

    COMPREM A QUATRORODAS!! É SÓ R$10,00 E QUEBREM A CARA!!!

    ResponderExcluir
  102. Não entendi... esse babaca tá defendendo a 4Patas ou não???

    Ooolha uma foto do Habib!!! Quem é aquele lambendo o saquinho dele?

    Quando alguém lááá no fundo grita...

    "É O ANÔÔÔNIMOOO DAS 22:58"!!!

    Aliás! Não compraria nenhum destes 5, Suckaaaaa!!!

    ResponderExcluir
  103. Olá galera !
    para maiores informações alinelima@jacmotorsbrasil.com.br

    Aline Guimarães

    ResponderExcluir
  104. Olá pessoal. O carro é bom. Isso é fato. Teria um, mas estou muito feliz com minha fielder 2006 A/T. O Prêmio Pulitzer é um prêmio americano outorgado a pessoas que realizem trabalhos de excelência na área do jornalismo, literatura e música. Se Bob fosse Americano teria ganho vários. Bela matéria. Fantástico jornalista.

    ResponderExcluir
  105. Postei no tópico do MAO e vou repetir aqui e complementar.

    Acredito que a melhor forma de afirmar que um carro é barato ou caro é descobrir quanto ele custa em seu país de origem e quanto equivale em Reais.

    Um J3 (RS TOJOY Luxo 1.3) completo na China custa 55.800 yuans o que dá R$ 14.111,00 sem impostos aqui no Brasil.

    Se considerarmos um frete de R$ 2.000,00 por carro, mais uns 80% de impostos agregados ao valor dele com impostos chegaria em R$ 27.400,00. (valor um pouco arredondado)

    Compare R$ 37.900 para R$ 27.400,00

    A diferença é a margem de lucro do seu Habib...

    Ou seja, tá caro!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  106. Ô Porsche, e quem é que vai bancar a implantação das concessionárias, pagar os funcionários, etc etc etc... Você?

    Os carros brasileiros, você acha que tem quanto de lucro em cima? 5%?

    ResponderExcluir
  107. Thales,

    Quem paga é sempre quem pergunta...

    Essa conta foi feita sem muita pretensão, afinal não sei se 80% de imposto é correto, duvido que 2k de frete seja realista, então essa margem provavelmente é maior do que essa que indiquei.

    Mas tá bom, vá lá e pague R$ 38mil nesse carro.

    O Lifan que custa R$ 29 mil aqui, é apenas R$ 1 mil mais barato em sua terra natal, ou seja, 33mil estava muito bem pago no J3.

    É por isso que a indústria senta e caga na cabeça dos consumidores.

    PS: Eu usei meu email de trabalho para postar as contas, por isso o "Porsche".

    Abs

    ResponderExcluir
  108. Independente dos preconceitos e opiniões pessoais, é bom que as chinesas façam sucesso com produtos de qualidade aqui no Brasil. Torço pra que em breve sejam participantes do mercado como foram as outras orientais. Seu fracasso não é bom para o consumidor, pois ratifica a idéia de que carro pra ser bom tem que ser caro e isso só é bom pros concorrentes.
    Acredito que o Habib não espera reaver seu investimento assim tão cedo, mas quando conseguir estabelecer a marca em alguns anos. Só espero que seja a custas de vendas e não de preços abusivos.

    ResponderExcluir
  109. A qualidade dos carros chineses ainda é desconhecida, mas a assistência técnica da JAC, não. Quem quiser saber como é, é só perguntar para os "satisfeitíssimos" clientes de concessionárias Citroën do sr. Habib... Depois, e só escolher seu novo carro entre os concorrentes (sem o C3, claro!).

    ResponderExcluir
  110. Notícias Automotivas é aquele site de semianalfabetos? Façam-me o favor... Prefiro o gibi da Mônica, que é mais bem-escrito.

    ResponderExcluir
  111. Bob,

    Muito boa sua avaliação, direta e reta como eu gosto, você falou exatamente o que eu "avaliei" do carro ao fazer um test drive do mesmo, e espero que a montadora altere o que você citou no texto; ajustes de altura nos cintos e bancos.

    Aliás, achei os bancos um pouco estreitos e o veludo desagradou minha senhora, tanto que estão oferecendo acabamento em couro na concessionária e segundo o vendedor, muita gente está optando por ele.

    Gostei de ver que o carro se saiu bem nas avaliações do CESVI e depois de conhecê-lo aliado a tantas boas críticas, concordo contigo que este carro vai fazer sucesso.

    ResponderExcluir
  112. Li até a parte do "insulfilm".
    No país onde EU moro e sem carro blindado, impossível é não andar sem insulfilm..
    E de que me adianta a posição para "punta-tacco"? o carro tem motor ou qualquer pitada esportiva pra isso?
    O carro é legalzinho sim, não mais que isso, não é um "negócio da China", e duvido o Sr (o Sr mesmo, Bob Sharp) comprar um, a não ser que more em Brasília ou não enfrente NENHUM aclive no caminho de casa pro trabalho, ou sei lá pra onde.

    ResponderExcluir
  113. Raul Seixas16/04/11 23:18

    Quem não tem colírio usa insulfilme escuro...

    Até no pára-brisa de preferência, que é para não enxergar nada mesmo!

    ResponderExcluir
  114. A qualidade do atendimento do citroen e uma merda...Nunca mais citroen deus o livre prefiro um chevette dl do que um xantia... peças carissimas jac deve ser a mesma merda e alem de tudo um mico

    ResponderExcluir
  115. Vou postar meu comentário, como PROPRIETÁRIO DE UM JAC J3.

    Estou a pouco mais de dois meses com o carro, o qual foi comprado em Curitiba - PR, na css da Rua General Mario Tourinho. Com menos de 200 km o carro deu seu primeiro PROBLEMA COM O EPC. O carro ficou alguns dias na oficina para ser arrumado. Peguei o veículo novamente e alguns dias após, o problema com o EPC voltou. Mais uma vez voltei para a oficina e novamente o carro permaneceu por alguns dias encostado. Peguei mais uma vez meu veículo e, para minha surpresa, poucos dias depois o problema surgiu novamente. Agora já era a terceira vez, porem agora ele foi via reboque para a css. Desta vez ficou quase uma semana com a JAC Motors para que fosse resolvido o problema. Pois bem, uma vez mais com meu carro, passados quase 30 dias após o ultimo ocorrido, eis que para minha surpresa o problema com o EPC voltou. Quarta vez caro leitor. Segunda que utilizo o reboque. Conforme relatado pelos motoristas do serviço de guincho, aqui na Cidade de Curitiba, são inúmeros JAC J3 que voltam para a oficina por meio do guincho da Porto Seguro. Ou seja, o problema com o EPC nos veículos JAC J3 esta generalizado. Infelizmente.
    Sou um triste e SURPREENDIDO negativamente proprietário de um JAC J3.

    ResponderExcluir
  116. Surpreendido?

    ResponderExcluir
  117. Desculpe minha ignorância, mas o que significa EPC???


    Sinceramente talvez fosse melhor, pelo menos no começo, que os carros chineses fossem importados em versões bem baratas e "peladas", para não ter muito onde quebrar... Mas resolveram fazer justo o contrário...

    ResponderExcluir
  118. Equip. de prot. coletiva

    ResponderExcluir
  119. Eletronic Power Control

    Engraçado, uma vez acendeu esta "luzinha" no painel e o carro ficou com o desempenho acima do normal... Juro que eu queria que o "problema" continuasse... hehehe

    ResponderExcluir
  120. Ricardo Diniz13/08/11 22:00

    Boa noite Srs(as),

    venho acompanhando algumas discussões sobre o JAC, e registro minha opinião abaixo:

    Incrivelmente o Brasileiro, inclusive EU, indiscutivelmente é ressabiado com novidades. Sempre esperamos pra ver se o carro do vizinho não vai partir ao meio antes de comprarmos, enquanto isso, a meia dúzia de fabricantes nacionais continuam vendendo chassi, volante e câmbio por preços astronômicos.
    Não tem jeito Brasileiros(as). Exister duas formas de mudar as circunstâncias desse país. Força bruta ou mexendo no bolso.
    Quem está afim de comprar um JAC, compre sem dar muito ouvido para o que vão pensar, de qualquer forma quando você for vender, e isso pode ser em questão de poucos meses, você vai perder em torno de 30%, num chinês ou não.
    Quanto ao preconceito contra a China, quem mais fala é que menos sabe. Até onde não se acredita temos made in china.
    OS INTERESSADOS EM COMPRAR UM JAC, QUE COMPREM. SÓ ASSIM HAVERÁ MOBILIZAÇÃO DAS MONTADORAS NACIONAIS.
    obs: não seu um patriota desmotivado, apenas cansado!!

    ResponderExcluir
  121. Tomás Itaquera S.Paulo - Fiz test drive, desilusão total. Tenho SpaceFOX, desempenho do J3 não atingiu 50%, confirmado pelo representante da Marca. Aranque menor que Palio 1.0 65CV 1997. Só é silencioso. o resto......

    ResponderExcluir
  122. Bob, estive lendo muito sobre este carro pois estou negociando um modelo. Hj tenho um corsa premium 1,4 completo sem ar. Carro bom, mas ja fui "esfolado" várias vezes nas concessionarias. Ultima revisão custou 1,490,00. Quanto a este carro j3 desvalorizar, eu confesso que no corsa eu assustei. Paguei 34,000 em 2009 hj pagam nele 20,000,00. Meu unico medo no j3 é a potencia do motor. Tao dizendo que e fraco, vc concorda?

    ResponderExcluir
  123. calma pessoal....eu tenho um j3 e posso opinar sobre este assunto. Hoje 27/09/2011. Levei meu carro pela terceira vez na concesionária por causa deste problema. Conversei como chefe da oficina e ele me abriu o jogo. É o seguinte: Existem diverso sensores no carro que monitoram diversas coisas: Gaz do AC, sonda lambda do escap, altura do pedal da embreagem, corpo de borboletas da injeção, dentre outros. A luz somente fica apagada se TODOS os sensores estiverem enviando leituras ok para o módulo. Ele me falou que qualquer variação mínima de leitura destes sensores é normal em qualquer carro, mas que alguns J3 estão muitos críticos com relação as leituras recebidas dos sensores. Me explicou que o problema está sendo resolvido com a troca do modulo do carro. Que todos os casos que eles tem feito isso, tem resolvido o problema. A tarde vou buscar meu carro e depois posto os resultados. Como já tive problemas com todas as marcas nacionais, não estou insatisfeito com a JAC. Aliás até hoje foi o melhor atendimento técnico que tive....Meu JAC é 2011 2012, comrei há dois meses e está com 10.000km rodados (viajo muito a trabalho)

    ResponderExcluir
  124. PABLO, não esqueça de postar se resolveram teu problema hoje, estou quase fechando um....

    ResponderExcluir
  125. Faz um mês que comprei o J3. Tive problemas no painel do combustível.. o tanque cheio e visualmente marcava vazio!
    Resolvido em 5 minutos!
    De resto, vale a pena, estou adorando. Bem melhor que meu antigo pegeout 207 o qual tbm comprei 0km e depois de pouco tempo era insuportável andar com ele de tanto barulho nas portas. Fora o absurdo que se paga na concessionaria. Um módulo de vidro elétrico 526 reais. Em menos de um ano ele párou de funcionar.
    O Atendimento da JAC é MUITOO bom, nenhuma outra concessionaria me atendeu tão bem. Carro espaçoso, bonito, e com garantias!

    ResponderExcluir
  126. Caro Bob Sharp, comprimento-lhe pela impecável reportagem sobre o modelo J3 da JAC Motors. Já li muitas reportagens de conceituadas revistas e sites automotivos, mas a sua foi a melhor, imparcial, bem redigida, verdadeira e com conhecimento automotivo. Gostaria de ter conhecido o blog Auto Entusiastas ha mais tempo e desfrutado de uma reportagem digna de ser lida como essa.

    ResponderExcluir
  127. Na próxima semana meu J3 fará um ano, impecável, confortável, econômico, além da concessionária me atender como se tivesse comprado um Bentley nas raras visitas que fiz, pois felizmente não tive maiores problemas além das revisões. Aliás, bem menos problemas que os dez 10 Okm nacionais que tive. No início estava preocupado, mas os quatro mil a mais de avaliação no meu usado em relação aos concorrentes me fizeram arriscar. Hoje vejo risco existe se você não pesquisa, não estuda, não avalia o negócio. E se desvalorizar mais que um nacional, aquela superavaliação do usado compensará. Acho que nem um louco colocaria R$200 milhões num negócio mal estudado e mal avaliado. E o Habib não faria isso, especiamente por suas origens, pois duvido que jogaria dinheiro no lixo. E agora vai capitanear mais R$900 milhões na Bahia. Seria louco? Believe it or not...

    ResponderExcluir
  128. É a Jac entrou com tudo... Até aqui no AE colocaram gente para propagar a marca... Eae, qual foi o último Bentley que você comprou? rsrsrs

    ResponderExcluir
  129. Interessante como pessoas que não tem um jac j3 opinam, sem o mínino de informação, e com tanta autoridade.
    Interessante tambem notar como pequenos problemas em um jac j3 se tranformam em uma catástrofe (pelo simples fato de se tratar de um jac j3)
    Ja fui dono de um fox 1.0 cujo motor simplesmente parou de funcionar aos 15mil km, ja tive um Astra 1.6 que teve a transmissao quebrada enquanto eu dirigia na estrada Bandeirantes. Agora só imaginem se algo assim ocorre em um jac j3?? CATASTROFE CAOS PANDEMONIO!!

    Porque? Por que jac j3 não tem direito a falhas técnicas! Óbvio que não! Ele é chinês oras! Muito bem Brasil! Preconceito em um país heterogêneo como o nosso é simplesmente um contra-senso. Mas para os reclamões de plantão parabéns pela desinformada e injustificada xenofobia automotiva!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Astra 1.6??? huuuuuuuuum... Falador de brog

      Excluir
    2. Jumento
      Acha que
      Conhece

      kkkkkkk... O LOCO MEU!!!

      Excluir
    3. Gostaria de saber porque os tão superiores veículos fabricados pela Fia, Volks, Ford ou GM só dão garantia de um ano? Sendo confiáveis e bem projetados, não confiam no próprio produto??? Interessante

      Excluir
    4. Não tem nada ver com confiar ou não confiar no produto que fabricam, mas uma postura de marketing, só isso.

      Excluir
  130. Hoje diversos proprietários de um automóvel Jac Motors em todo o Brasil resolveram se unir através de um manifesto e encaminhar o mesmo ao Presidente da Jac Motors confira mais aqui http://meujacj3turin.blogspot.com.br/2012/06/dia-j-o-dia-da-mobilizacao-dos.html

    ResponderExcluir
  131. Julio Bomfim14/11/12 09:59

    Notícia "nova" - e lamentável - sobre o JAC J3: apenas 1 estrela (de 5 possíveis) no LATIN NCAP para o veículo já equipado com air bags de série. Alta possibilidade de morte em acidentes. É isso o que a JAC está vendendo e nós, como consumidores sem nenhuma consciência, estamos comprando.
    Segue o link da avaliação: http://www.latinncap.com/po/resultados-2012

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...